Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

07/12/2012

Mensagens negativas não convencem dependentes químicos

Redação do Diário da Saúde
Mensagens negativas não convencem dependentes químicos
O Dr. Joshua Brown recomenda mudar o enfoque das propagandas contra o uso de drogas, que devem passar a destacar os aspectos positivos de se livrar do vício.[Imagem: Indiana University]

Processamento das mensagens

Mensagens negativas para tentar convencer pessoas a deixar seus vícios podem não ser o enfoque adequado.

Pesquisadores descobriram que a parte do cérebro associada com a avaliação de riscos tem um nível menor de atividade nas pessoas dependentes de substâncias químicas.

As pessoas dependentes de álcool ou de drogas, e as pessoas não-dependentes, processam as mensagens de forma diferente.

Isso é particularmente verdadeiro quando as mensagens enfatizam riscos, perdas ou redução na perspectiva de ganhos futuros.

Impacto fraco das mensagens negativas

"O que descobrimos é que as mensagens negativas não têm o mesmo impacto no cérebro [entre os dois grupos]," afirma Joshua Brown, da Universidade de Indiana (EUA).

Utilizando técnicas de neuroimagem, os pesquisadores examinaram o impacto de diferentes mensagens sobre os cérebros de indivíduos dependentes de drogas ou álcool e compararam com os efeitos das mesmas mensagens sobre pessoas não-dependentes.

Eles também queriam saber onde está o problema no circuito entre a mensagem, o cérebro e o comportamento - seria na ligação entre o cérebro e o comportamento ou no impacto da mensagem sobre o cérebro?

Por que é bom ficar livre das drogas?

Parece que o problema está logo no início da recepção da mensagem pelo cérebro.

O grupo de pessoas com dependência química apresentou um nível menor de atividade cerebral em resposta às mensagens de cunho negativo.

Na verdade, nos jogos usados nos experimentos, as mensagens negativas levaram a decisões mais arriscadas entre o grupo de dependentes - e, por decorrência, a resultados piores.

Segundo o pesquisador, não adianta ficar repetindo "As drogas fazem mal a você", "Simplesmente diga não" ou "Este é o seu cérebro sob ação das drogas" acompanhado da imagem de um ovo frito.

"O governo gasta milhões todos os anos tentando desencorajar o uso de drogas, e um bocado dos anúncios destacam o perigo das drogas. Não deveríamos então gastar mais destacando os benefícios de ficar livre das drogas?" concluiu Brown.


Ver mais notícias sobre os temas:

Vícios

Mente

Cérebro

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Ultrassom no 1º trimestre de gravidez pode agravar autismo

Os muitos mitos sobre as Dores nas Costas

Carne e barbatana de tubarão contêm altos níveis de neurotoxinas

Dor de cabeça: Conheça aquelas que exigem tratamento

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão