Mercado de alimentos funcionais cresce no mundo

Nutrição e prevenção de doenças

Estima-se que o mercado de alimentos funcionais já atinja a cifra dos 60 bilhões de dólares no mundo. É o que disse o presidente da Associação Brasileira da Indústria de Alimentos para Fins Especiais e Congêneres (Abiad), Carlos Gouvêa em entrevista ao programa Revista Brasil, da Rádio Nacional.

Os alimentos funcionais, além da função de nutrição, também prometem ajudar na prevenção e tratamento de doenças. Carlos explica que há uma grande evolução no mercado de alimentos para fins especiais, como o diet e light, e os alimentos funcionais, que tem avançado em taxas de 20% ao ano. "Esses alimentos trazem grande benefício fisiológico e metabólico, proporcionando melhorias claras e visíveis".

Alimentos mais saudáveis

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) está dando passos mais largos para poder facilitar o acesso da grande população a alimentos cada vez mais saudáveis, liberando registro de ingredientes que passam a compor a fórmula desses alimentos", conta Carlos.

Para o presidente da Abiad, o preço ainda é uma barreira para o consumo: "Os alimentos só são liberados para o consumidor depois de muitos anos de pesquisa, o que os torna um pouco mais caros que os alimentos convencionais."

Ele explica também que isso é questão de tempo, e cita como exemplo o iogurte: "Era um mercado em declínio e, a partir do momento em que saíram iogurtes light ou com adição de fibras, teve-se um crescimento considerável, mesmo ainda com preços um pouco mais elevados".


Ver mais notícias sobre os temas:

Alimentação e Nutrição

Prevenção

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2017 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.