Método espuma substitui a cirurgia de varizes

Varizes

Cerca de 35% da população brasileira apresenta algum grau de varizes. Segundo o Ministério da Saúde, a doença é a 14ª causa de afastamento temporário. As varizes representam um grave problema de saúde pública no Brasil.

Há 5 anos, o Prof. Dr. Eduardo Toledo Aguiar, membro da SBACV (Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular) trata de pacientes com varizes somente com o método espuma.

Pioneiro no Brasil na utilização do método, o professor já atendeu mais de 1.500 casos com resultados expressivos.

Em uma apresentação durante o evento 'Controvérsias em Cirurgia Vascular e Endovascular', o Prof. Eduardo mostrou as vantagens do método espuma sobre a cirurgia.

"Ao contrário da cirurgia, os pacientes que tratam as varizes com o método espuma não se afastam de suas atividades. O procedimento não é cirúrgico e a pessoa pode realizar o tratamento na hora do almoço, por exemplo," disse ele.

Método espuma contra varizes

O método espuma é utilizado para todos os graus de varizes, que são classificadas em seis tipos, variando do C1 ao C6. Os vasinhos pequenos são considerados varizes do tipo C1. As varizes de grosso calibre ou até mesmo feridas provocadas por distúrbios venosos estão entre as classificações C2 e C6.

Logo após a injeção da espuma (com aspecto semelhante a uma espuma de barbear), a veia comprometida fica enrijecida e sensível ao toque. O paciente pode retomar a rotina normalmente.

Este aspecto desaparece em aproximadamente um mês, com o auxílio de medicamentos dermatológicos específicos e uso de meia elástica. A técnica é utilizada amplamente na Europa. No Brasil, a adoção do método é crescente.

Fim da cirurgia contra varizes?

Os números apresentados em congressos e eventos da área revelam a tendência da diminuição do número de cirurgias de varizes. Dos pacientes atendidos com o novo método, 99% não apresentaram varizes residuais no final do tratamento e 86% das úlceras foram cicatrizadas. 71% dos pacientes não apresentaram manchas associadas. 20% dos pacientes têm idade entre 40 e 49 anos, enquanto 30% têm entre 50 e 59. "A comunidade médico-científica está começando a enxergar o método com bons olhos. As estatísticas e os resultados não deixam dúvidas de que o método espuma irá substituir a cirurgia", finaliza Prof. Eduardo.


Ver mais notícias sobre os temas:

Cuidados com a Pele

Sistema Circulatório

Saúde da Mulher

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2017 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.