Microcefalia: 4.291 casos suspeitos

O Ministério da Saúde continua investigando 4.291 casos suspeitos de microcefalia e outras alterações do sistema nervoso, sugestivas de infecção congênita.

Desde o início da investigação, em outubro de 2015, foram notificados 6.776 casos suspeitos de microcefalia.

Dos casos já concluídos, 944 foram confirmados e 1.541 descartados. Do total de casos de microcefalia confirmados, 130 tiveram resultado positivo para o vírus zika.

A microcefalia e outras alterações do sistema nervoso central podem ter como causa diversos agentes infecciosos além do zika, como Sífilis, Toxoplasmose, Outros Agentes Infecciosos, Rubéola, Citomegalovírus e Herpes Viral.

Até o dia 26 de março, foram registrados 208 óbitos (fetal ou neonatal) suspeitos de microcefalia e/ou alteração do sistema nervoso central após o parto ou durante a gestação (abortamento ou natimorto). Destes, 47 foram confirmados para microcefalia e/ou alteração do sistema nervoso central. Outros 139 continuam em investigação e 22 foram descartados.

O Ministério da Saúde ressalta que esse dado não representa, adequadamente, a totalidade do número de casos relacionados ao vírus, considerando que houve infecção pelo zika na maior parte das mães que tiveram bebês com diagnóstico final de microcefalia.


Ver mais notícias sobre os temas:

Epidemias

Vírus

Cérebro

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.