Ministro defende plano de saúde popular para diminuir gastos do SUS

Plano pobre

O ministro da Saúde, Ricardo Barros, defendeu a criação de uma espécie de "plano de saúde popular" para que as pessoas de baixa renda paguem por serviços que hoje são oferecidos pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

A medida está sendo vista por especialistas como uma ameaça à universalização à saúde e eventualmente o início da privatização do SUS. O governo interino defende a medida como uma tentativa de aliviar os gastos do governo.

Durante audiência pública na Comissão de Assuntos Sociais do Senado, Ricardo Barros afirma que a proposta consiste em oferecer planos de saúde com menos serviços ofertados do que o que foi definido pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) como cobertura mínima obrigatória.

Desta forma, os usuários do plano popular teriam um custo, mas não teriam a cobertura que outros planos de saúde já oferecem.

"O que estamos propondo como reflexão é que possamos ter planos com acesso mais fácil à população e, evidentemente, com cobertura proporcional a esse acesso. [Precisamos] ter outras faixas de planos de saúde para que a gente possa permitir que mais pessoas possam contribuir para o financiamento da saúde no Brasil," disse ele.

A ideia, segundo o ministro, é que a adesão a esse tipo de plano de saúde popular seja voluntária.

"Quando uma pessoa tem um plano, ela está contribuindo para o financiamento da saúde no Brasil", disse. "Ela participa dos custos de atendimento da saúde. Como os planos terão menor cobertura, parte dos atendimentos continuará sendo feita pelo SUS", completou.


Ver mais notícias sobre os temas:

Planos de Saúde

Saúde Pública

Atendimento Médico-Hospitalar

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.