Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

30/06/2010

Mordida cruzada deve ser tratada na infância para evitar sequelas

Raquel do Carmo Santos
Mordida cruzada deve ser tratada na infância para evitar sequelas
Quanto mais cedo o tratamento da mordida cruzada, menores as chances de desenvolvimento de problemas estéticos e mastigatórios na adolescência e na fase adulta.[Imagem: Unicamp]

Mordida cruzada

Estudo desenvolvido na Faculdade de Odontologia de Piracicaba (FOP) comprova que, quanto mais cedo o tratamento da mordida cruzada, menores as chances de desenvolvimento de problemas estéticos e mastigatórios na adolescência e na fase adulta.

A pesquisa avaliou tanto a mordida cruzada unilateral como a bilateral - aquela que aparece apenas em um lado da boca ou dos dois, respectivamente, e constatou que ambas possuem características morfológicas e funcionais semelhantes.

Chupetas, mamadeiras e dedos

De acordo com os resultados da pesquisa conduzida pela cirurgiã-dentista Annicele da Silva Andrade, a diferença clínica observada é somente devido ao desvio mandibular que ocorre na mordida cruzada unilateral.

Isto significa um alerta para as mães que não atentam para o uso prolongado de chupetas e mamadeiras ou, até mesmo, para o hábito de chupar os dedos.

Segundo Annicele, esses vícios precisam ser removidos até os três anos de idade, pois constituem uma das principais causas de desenvolvimento da má oclusão.

Parafuso expansor

Embora seja um problema relativamente simples de ser resolvido no público infantil, na idade adulta a situação é diferente. Além de aumentar o risco de causar sérias alterações no desenvolvimento ósseo da face e da mandíbula, há muitas queixas de dores de cabeça e questões estéticas graves, como dentes tortos.

Em crianças, explica Annicele, um dos tratamentos mais utilizados é a expansão rápida da maxila, feita através de um aparelho com parafuso expansor fixado nos dentes superiores.

"Em 15 dias já se percebe o descruzamento da mordida. Nos adultos, entretanto, é preciso até intervenção cirúrgica em determinados casos", esclarece a cirurgiã-dentista, que aponta a prevalência de mordida cruzada em 8% a 22% das crianças brasileiras.

Estirão

O tratamento deve ser iniciado antes que a criança ou adolescente tenha o chamado surto de crescimento da puberdade, para que haja a separação da rafe palatina - uma área estreita e bem definida localizada na região do palato ou popularmente conhecida como céu da boca.

À semelhança do que ocorre com a "moleira" do bebê no alto da cabeça, a rafe palatina não está fechada antes do surto de crescimento e, por isso, a correção da maxila com aparelhos não causa nenhum tipo de trauma.

Atividade elétrica dos músculos

Annicele acompanhou durante um ano, por meio de avaliações clínicas, musculares e esqueléticas, crianças em idades entre 7 e 10 anos, portadoras ou não de mordida cruzada, para comparar as principais alterações nas funções mastigatórias e espessura muscular.

A dúvida que existia e que motivou o trabalho desenvolvido na FOP era de que existiam diferenças entre o grau de estreitamento maxilar nas mordidas cruzadas uni e bilateral. O que não correspondeu aos resultados das investigações; pelo contrário, eles mostraram muitas semelhanças entre as duas categorias.

O estudo apontou ainda que as crianças tratadas para correção do problema apresentaram um aumento na atividade elétrica dos músculos da mastigação, indicando que o tratamento das mordidas cruzadas melhora tanto aspectos estéticos quanto aspectos da função mastigatória.


Ver mais notícias sobre os temas:

Saúde Bucal

Cuidados com o Recém-nascido

Ossos e Juntas

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Por que o século 21 prefere os apocalipses às utopias?

Desvendados efeitos biológicos da luz azul

Como a ciência fica fantástica e se aproxima da religião

Paciente volta a andar após transplante de células do nariz

Mês do nascimento afeta temperamento das pessoas