Mosquito da dengue infectado vive menos

Efeitos no mosquito

O que a dengue causa ao ser humano já é bem conhecido.

Mas o que a infecção pelo vírus da dengue causa ao próprio mosquito Aedes aegypti?

Este foi o tema da pesquisa realizada por Ricardo Lourenço e seus colegas do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz).

Os resultados mostraram que as fêmeas infectadas viveram em média 15 dias a menos do que as não infectadas e apresentaram uma queda no número de ovos colocados a partir da terceira postura.

Esforço de defesa

Segundo Ricardo Lourenço, a redução do tempo de vida médio do A. aegypti infectado pode estar ligada ao esforço que o mosquito precisa fazer para se defender do vírus em seu organismo.

O estudo optou por observar fêmeas do A. aegypti porque apenas elas se alimentam de sangue, atuando portanto na transmissão da dengue.

"A hipótese para explicar esta observação é a de que o gasto desprendido pelo mosquito para se defender do vírus em seu corpo comprometa sua produção de ovos e outros aspectos de sua biologia e comportamento", complementa.

Alimentação do mosquito

A investigação reforça uma abordagem recente dos estudos na área, que passa a considerar os efeitos acarretados pelo vírus no organismo do A. aegypti e sua interferência no ciclo de transmissão.

Há cerca de 10 anos, os pesquisadores achavam que o vírus não alterava a vida do mosquito. Mas essa crença vem sendo alterada com base em estudos de "longo prazo": "Em nosso estudo, conseguimos observar os mosquitos ao longo de várias semanas. Com isso, vimos que a infecção no mosquito pode interferir na sua vida e, por conseguinte, no ciclo de transmissão da dengue", diz o especialista.

O próximo passo da pesquisa é a investigação do efeito da infecção pelo vírus sobre os hábitos alimentares do vetor. "Queremos saber se a infecção causa alguma alteração relacionada à picada do mosquito", finaliza o pesquisador.


Ver mais notícias sobre os temas:

Vírus

Infecções

Epidemias

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.