Mulher pode ter morrido por tomar Coca-Cola demais

Viciada em Coca-cola

Um médico legista na Nova Zelândia concluiu que o consumo excessivo de Coca-Cola teria contribuído para a morte de uma mulher de 30 anos.

Natasha Harris, que bebia entre 6 a 10 litros do refrigerante por dia, sofreu um ataque cardíaco fulminante em 2010.

Essa quantidade de Coca-cola, segundo o médico, contém duas vezes mais cafeína do que o limite recomendado para a ingestão diária por um adulto.

Harris, que tinha oito filhos e já havia perdido todos os dentes por excesso de cáries, bebia Coca-Cola o dia inteiro.

Segundo sua família, ela seria "viciada" no refrigerante, chegando até a sofrer "sintomas de abstinência", como tremedeiras.

Ingestão excessiva de açúcar e cafeína

O médico legista disse que se, se a mulher não tivesse bebido enormes quantidades do refrigerante, não teria morrido "nem quando nem da forma que morreu".

Segundo o perito, a Coca-Cola foi um "fator significativo" para a deterioração da condição cardíaca de Harris.

Ele admitiu que não é possível responsabilizar as empresas produtoras de refrigerantes pela saúde de consumidores que abusam do produto, mas disse acreditar que tais empresas deveriam alertar seus clientes sobre os riscos da ingestão excessiva de açúcar e cafeína.

Para a Coca-Cola, não é possível provar que o seu produto teria contribuído para a morte de Harris.


Ver mais notícias sobre os temas:

Intoxicação

Vícios

Coração

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.