Nanotecnologia acorda sistema imunológico para combater câncer

Técnica acorda o sistema imunológico usando nanopartículas com medicamentos
As nanocápsulas, que têm o formato de um barril, imitam estruturas naturais encontradas no citoplasma de todas as células de mamíferos.
[Imagem: UCLA]

Nanotecnologia contra o câncer

Cientistas da Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos, descobriram uma maneira de despertar o sistema imunológico para que o organismo "acorde" e combata o câncer.

O mecanismo consiste em fornecer uma proteína que estimula o sistema imunológico.

A proteína é levada no interior de um minúsculo recipiente, construído com nanotecnologia, que é depositado diretamente sobre o tumor, aproveitando as defesas naturais do organismo para combater o crescimento da doença.

Os testes foram feitos com câncer de pulmão, mas são promissores para outros tipos de tumor.

Nanocápsulas

As nanocápsulas, que têm o formato de um barril, imitam estruturas naturais encontradas no citoplasma de todas as células de mamíferos.

Os cientistas projetaram seus nanobarris para que eles liberem lentamente uma proteína, a quimiocina CCL21.

Os estudos pré-clínicos, feitos em animais de laboratório, mostraram que a proteína estimula o sistema imunológico a reconhecer e atacar as células cancerosas, inibindo o crescimento do câncer.

"Nos tumores de pulmão, o sistema imunológico tem seu funcionamento deprimido, e o que queríamos era despertá-lo, encontrar uma maneira de fazê-lo perceber o câncer e atacá-lo," explica o Dr. Leonard Rome, coautor do estudo.

Rome afirma que o nanobarril - que se insere na categoria dos chamados nanocarreadores, carregadores de medicamentos pelo corpo humano, criados pela nanotecnologia - "era apenas um sonho três anos atrás".

Imunoterapia

Tudo começou com a tentativa de construir um mecanismo imunológico para defender o organismo do câncer - a chamada imunoterapia.

Em vez da abordagem clássica da quimioterapia, onde medicamentos atacam o tumor, os cientistas querem desenvolver formas de fazer com que o próprio sistema imunológico do paciente faça o serviço.

Essa abordagem é promissora porque, em tese, eliminará os graves efeitos colaterais dos quimioterápicos, já que será o próprio organismo que aprenderá a destruir o câncer.

Além disso, como o sistema imunológico se encarregará da tarefa, ele poderá atuar em todo o corpo, combatendo a metástase, que é a proliferação das células cancerosas para outros pontos do organismo.

Técnica acorda o sistema imunológico usando nanopartículas com medicamentos
O nanobarril se insere na categoria dos chamados nanocarreadores, carregadores de medicamentos pelo corpo humano, criados pela nanotecnologia - "um sonho três anos atrás", segundo o pesquisador.
[Imagem: UCLA]

Células dendríticas

A equipe do Dr. Steven Dubinett, parceiro da pesquisa, estava usando um adenovírus com replicação deficiente para infectar células dendríticas e forçá-las a uma superprodução de CCL21.

Glóbulos brancos do paciente são usados para criar essas células dendríticas, que são células do sistema imunológico que processam um material antígeno e o apresentam na superfície de outras células do sistema imunológico.

As células modificadas - 10 milhões de cada vez - foram então injetadas diretamente no câncer de pulmão do paciente para estimular a resposta imunológica.

Esta foi a primeira vez que a quimiocina foi administrada a seres humanos.

O estudo inicial mostrou que a técnica de células dendríticas é segura, não tem efeitos colaterais e parece estimular a resposta imunológica - linfócitos T com assinaturas de citocinas específicas foram identificadas circulando pelo organismo do paciente, indicando que os linfócitos estavam reconhecendo o câncer como um invasor.

Tratamento personalizado

Mas os cientistas se depararam com grandes problemas.

O processo de geração das células dendríticas a partir dos glóbulos brancos, e sua "configuração" para produzir um excesso de CCL21, é uma tarefa trabalhosa, cara e demorada.

Há ainda o desafio da variabilidade de paciente para paciente. É mais fácil isolar e cultivar as células dendríticas em alguns pacientes do que em outros, por isso os resultados não foram consistentes.

E as células de um paciente não funcionam em outro.

Nanobarris

É aí que entram os nanobarris.

Essas estruturas podem substituir as células dendríticas, carregando a quimiocina CCL21 sintetizada em laboratório e depositando-a diretamente no tumor.

Como os cientistas esperavam, o resultado sobre o tumor foi o mesmo do teste anterior, sem todos os problemas associados com a produção das células dendríticas.

A próxima etapa, quando os nanobarris serão testados em humanos, deverá levar três anos.


Ver mais notícias sobre os temas:

Nanotecnologia

Câncer

Sistema Imunológico

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.