Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

12/11/2011

Genética torna músculos duas vezes mais fortes

Redação do Diário da Saúde
Nocaute genético torna músculos duas vezes mais fortes
Os cientistas alertam que a descoberta poderá ser mal utilizada por atletas, no chamado doping genético.[Imagem: Li et al./Cell]

Doping genético

Cientistas suíços usaram uma técnica de engenharia genética, chamada nocaute genético, para criar o que eles chamam de "super-camundongos e vermes maratonistas".

O enorme ganho muscular dos animais foi obtido pela redução da função de um inibidor natural, que se mostrou responsável pela força e pela resistência dos músculos.

Os cientistas afirmam que a pesquisa poderá levar a novos tratamentos para degenerações musculares causadas pelo envelhecimento ou por doenças genéticas.

Mas alertam também que os resultados poderão ser mal utilizados por atletas, naquilo que já é conhecido como doping genético.

Ativadores e inibidores

Atuando sobre um único receptor, chamado NCoR1, Johan Auwerx e seus colegas conseguiram controlar a expressão de genes que atuam sobre o desenvolvimento muscular, criando animais cujos músculos têm o dobro da força dos músculos dos animais normais.

O processo de transcrição, pelo qual proteínas são produzidas por um organismo em resposta a instruções contidas em seu DNA, obedece a dois tipos de fatores: ativadores ou inibidores.

Embora ainda não seja um processo suficientemente conhecido, em princípio esses fatores ativadores ou inibidores respondem à concentração de determinados hormônios no corpo.

Os pesquisadores conseguiram suprimir o inibidor NCoR1, que normalmente funciona dosando, ou restringindo, o desenvolvimento dos tecidos musculares.

Na falta do inibidor, os músculos se desenvolvem mais

Supercamundongos

Os supercamundongos se revelaram verdadeiros maratonistas, correndo mais rápido e cobrindo distâncias maiores - praticamente o dobro dos animais comuns.

Exames microscópicos revelaram que os músculos dos supercamundongos são mais densos, os músculos são mais maciços e as células musculares contêm maior número de mitocôndrias, as organelas que suprem energia para as células.

Os mesmos resultados foram observados em vermes nematóides.

Quando os cientistas induziram a obesidade nos supercamundongos, eles verificaram que os animais ganharam peso sem adquirir as doenças relacionadas à condição, como o diabetes.

Efeitos colaterais

Os estudos não compararam o tempo de vida dos supercamundongos, embora os cientistas aleguem "não ter sido verificado ainda nenhum efeito colateral deletério".

Agora o grupo quer tentar descobrir formas de conseguir a inibição do fator por meio de medicamentos, uma vez que a manipulação genética não seria adequada para seres humanos.

Pelo menos não eticamente: se os resultados forem confirmados em humanos, não há dúvidas de que o avanço irá atrair a atenção de atletas e médicos do esporte.

"Será importante que as autoridades responsáveis por exames anti-doping monitorem se esses tratamentos não são usados de forma não-autorizada," alertou Auwerx.


Ver mais notícias sobre os temas:

Genética

Atividades Físicas

Ética

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Dor de cabeça: Conheça aquelas que exigem tratamento

Vacina contra dengue pode fazer mais mal que bem em alguns locais

Os muitos mitos sobre as Dores nas Costas

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão

Carne vermelha todo dia faz mal? Especificamente que mal?