Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

16/06/2015

Descoberta questiona novas terapias para tratamento de Alzheimer

Redação do Diário da Saúde

Proteínas tau e Alzheimer

Uma característica típica do cérebro de um paciente de Alzheimer é a presença de agregados insolúveis de proteínas tau.

Embora durante anos tenha-se falado muito sobre os agregados de beta amiloides, mais recentemente passou-se a desconfiar de que as proteínas tau podem ser causa do Alzheimer, enquanto as placas amiloides podem ser uma defesa do cérebro contra a doença.

Agora, uma equipe da Universidade de Leuven (Bélgica) demonstrou que a distribuição desses agregados de proteínas tau através do cérebro é facilitada pelas conexões sinápticas entre os neurônios cerebrais.

Isto é muito significativo porque o foco dos cientistas está cada vez mais voltado para a reparação de conexões sinápticas como uma estratégia terapêutica das doenças neurodegenerativas, como Alzheimer.

"Com base nos nossos resultados, aconselhamos cautela em relação à abordagem terapêutica para a reparação de sinapses. Nossa pesquisa sugere que as sinapses também promovem a distribuição de agregados tau, o que poderia anular os efeitos positivos de uma sinapse reparada.

"Também é importante levar isso em conta no desenvolvimento de novas estratégias terapêuticas, por exemplo, através da combinação de uma abordagem de restauração de sinapse com outra que iria remover o agregado tau na sinapse," resumiu o professor Dieder Moechars, coordenador da equipe.

Reparação das sinapses

As células do cérebro comunicam-se através de sinapses, ou seja, conexões sinápticas bem-sucedidas são vitais para que ele funcione corretamente.

A degeneração sináptica é um sintoma importante em doenças neurodegenerativas tais como a doença de Alzheimer, com a perda de sinapses resultando em um declínio nas habilidades cognitivas.

Devido a isso, inúmeras equipes ao redor do mundo estão concentradas no desenvolvimento de tratamentos voltados para a reparação das sinapses.

Este novo estudo mostra que esta abordagem pode não ser um caminho tão direto para tratamentos eficazes.


Ver mais notícias sobre os temas:

Neurociências

Cérebro

Mente

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Ciência começa a entender eficácia da Medicina Chinesa contra o câncer

O que é melhor: Meditação ou Férias?

Carne e barbatana de tubarão contêm altos níveis de neurotoxinas

Dor de cabeça: Conheça aquelas que exigem tratamento

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão