Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

09/11/2011

Descoberta representa novo paradigma na fabricação de medicamentos

Redação do Diário da Saúde
Descoberta representa novo paradigma na fabricação de medicamentos
Segundo os pesquisadores, a nova droga (em cima) poderá ser até 500 vezes mais barata do que a tradicional (embaixo). [Imagem: Rensselaer Polytechnic Institute]

Novo paradigma

Pesquisadores norte-americanos afirmam ter descoberto uma nova técnica que pode mudar para sempre a forma como os medicamentos são produzidos.

"Esta pesquisa representa um paradigma inteiramente novo na fabricação de medicamentos," afirma o Dr. Robert Linhardt, um dos autores de um estudo que ganhou destaque na última edição da revista Science.

O grupo descobriu uma nova técnica para fabricação da droga heparina, mas que poderá ser aplicado, segundo eles, à maioria dos outros medicamentos.

Síntese quimioenzimática

O novo processo é chamado de síntese quimioenzimática.

A pesquisa mostrou que a nova heparina de peso molecular ultra-baixo apresenta o mesmo desempenho que o anticoagulante fondaparinux, mas é mais pura, mais rápida de fabricar e, portanto, muito mais barata.

O novo processo usa compostos químicos e enzimas para reduzir o número de etapas necessárias à produção da droga de aproximadamente 50 passos para cerca de 12.

Além disso, ele aumenta o rendimento do processo em até 500 vezes em comparação com o processo tradicional de fabricação do fondaparinux.

Segundo Linhardt, é de se esperar que o custo do medicamento caia nessa mesma proporção do aumento da eficiência do processo.

Heparinas

O fondaparinux é um anticoagulante sintético recentemente desenvolvido, usado para tratar trombose.

Ele é parte de uma família maior, chamada de heparinas, mas tem a vantagem de ser o primeiro do tipo a não ser sintetizado de produtos animais.

"Quando usamos os animais, nós ficamos sujeitos à transmissão de vírus e príons, como o mal da vaca louca," diz Linhardt. Mas a produção do material sintético é muito demorado e caro.

O novo processo usa enzimas e açúcares idênticos aos encontrados no corpo humano para fabricar as moléculas do medicamento passo a passo.

Os pesquisadores já começaram a testar a nova droga em animais, com sucesso, e acreditam que a nova droga mais barata logo poderá chegar ao mercado.

A seguir, eles pretendem aplicar a síntese quimioenzimática à fabricação de outras drogas.


Ver mais notícias sobre os temas:

Medicamentos

Sistema Circulatório

Coração

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Nanoestrelas matam bactérias sem desenvolver resistência

Ciência começa a entender eficácia da Medicina Chinesa contra o câncer

O que é melhor: Meditação ou Férias?

Carne e barbatana de tubarão contêm altos níveis de neurotoxinas

Dor de cabeça: Conheça aquelas que exigem tratamento