Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

08/04/2014

O sarampo está ressurgindo no Brasil?

Com informações da Fiocruz

Por que o sarampo parece estar "renascendo"?

Depois de solicitar à Organização Mundial da Saúde o certificado de erradicação do sarampo, o Brasil registrou, em 2013, 201 casos da doença.

Esse número foi cinco vezes maior do que o surto detectado em 2011 (42 casos) e 100 vezes maior do que os números de 2012 (2 casos). Em 2014, já são 74 casos notificados, todos eles localizados no Ceará (70) e Pernambuco (4).

Metade desses casos foi detectado em menores de 1 ano de vida e a maioria entre pessoas sem esquema vacinal completo.

O sarampo é causado por um vírus chamado morbillivírus. É uma doença infecciosa, viral e muito comum na infância.

O vírus do sarampo é altamente contagioso, com a transmissão dando-se por secreções das vias respiratórias, como gotículas eliminadas pelo espirro ou pela tosse de pessoas infectadas.

O período de incubação, ou seja, o tempo entre o contágio e o aparecimento dos sintomas, é de cerca de doze dias e a transmissão pode ocorrer antes do aparecimento dos sintomas e estender-se até o quarto dia depois do aparecimento das placas avermelhadas na pele.

Leonardo Menezes, pediatra da Fiocruz, esclarece algumas dúvidas sobre o sarampo e os riscos verificados nestes últimos surtos.

Quais os principais sintomas do sarampo?

Leonardo Menezes: Após o período de incubação, o paciente pode desenvolver febre, tosse, conjuntivite não purulenta (olho vermelho), fotofobia (incapacidade de olhar para luz) e coriza (nariz escorrendo). Depois de dois a três dias, nota-se pequenas lesões na mucosa bucal, também conhecida como manchas de Koplik. Essas manchas ficam presentes entre 12 a 72 horas.

Outra característica da doença é a manifestação do exantema (rash ou lesões vermelhas) no corpo, começando pela região frontal (nuca ou porção posterior da cabeça) espalhando-se pelos braços e pernas. Após três dias, as manchas se tornam acastanhadas com descamação fina da pele.

A febre, habitualmente, é alta (chegando a 40ºC) e tem pico entre o segundo e o terceiro dia do aparecimento do exantema.

Quais as complicações da doença e o tratamento adequado?

Menezes: O sarampo pode ter complicações como: diarreia, vômitos, hemorragias, alterações neurológicas (convulsões e encefalites), pneumonia bacteriana secundária e hepatite.

Não há tratamento específico disponível. Existem alguns estudos com a utilização de Ribavirina em indivíduos imunocomprometidos. Porém, essa medicação não é licenciada para o tratamento do sarampo. A vitamina A deve ser oferecida em países subdesenvolvidos e em pacientes desnutridos, uma vez, que a suplementação dessa vitamina reduz complicações como pneumonia e diarreia nas populações que possuem deficiência desses nutrientes.

É possível ter sarampo por mais de uma vez?

Menezes: O sarampo produz uma imunidade duradoura em indivíduos saudáveis. O esquema vacinal completo, bem como, uma história pregressa da doença confere proteção ao paciente, não permitindo novas manifestações clínicas quando em contato com o vírus numa segunda oportunidade.

Como se previne o sarampo?

Menezes: O sarampo é uma doença de prevenção através da vacinação, conforme previsto no Programa Nacional de Imunizações. A vacina do sarampo é recomendada aos 12 meses de vida, por meio da tríplice viral (sarampo, caxumba e rubéola) e aos 15 meses de vida (reforço), com a tetraviral que protege a criança do sarampo, caxumba, rubéola e varicela (catapora).

Em situações de surtos e epidemias, podemos utilizar vacinação de bloqueio e imunização passiva, com aplicação de imunoglobulina standard ou imunoglobulina venosa hiperimune, sempre após o contato com casos suspeitos ou confirmados da doença ou conforme determinação das autoridades de saúde, por meio de campanhas extraordinárias de vacinação.

Existem recomendações especiais para viajantes a áreas de surto ou epidemia?

Menezes: Os viajantes e participantes de grandes eventos devem checar seus cartões de vacina. As vacinas desatualizadas ou faltantes devem ser dadas dentro de um prazo de 15 dias antes da viagem ou evento.

As crianças de 6 meses a 1 ano, que viajarão para o Nordeste do Brasil, devem receber vacina tríplice viral. É importante ressaltar que essa dose não interfere nas doses realizadas dentro do calendário oficial.

Crianças menores de 6 meses devem evitar viajar para esses destinos.


Ver mais notícias sobre os temas:

Cuidados com o Recém-nascido

Vacinas

Vírus

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Vacina contra dengue pode fazer mais mal que bem em alguns locais

Dor de cabeça: Conheça aquelas que exigem tratamento

Os muitos mitos sobre as Dores nas Costas

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão

Carne vermelha todo dia faz mal? Especificamente que mal?