Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

21/03/2016

Óleos de orégano e de cravo matam larvas do Aedes aegypti

Com informações da Agência Brasil
Óleos de orégano e de cravo matam larvas de Aedes aegypti
O óleo é extraído com o uso de equipamentos específicos. Por essa razão, não adianta colocar folhas de orégano ou cravo na água.[Imagem: Leo Rodrigues/Agência Brasil]

Tempero contra larvas

A eficácia dos óleos de orégano e de cravo para matar as larvas do mosquito Aedes aegypti foi comprovada por uma pesquisa da PUC de Minas Gerais e da Fundação Ezequiel Dias (Funed).

Em contato com o criadouro, os óleos matam as larvas em até 24 horas.

O próximo passo do estudo, que consistirá no desenvolvimento de um larvicida e sua colocação à disposição do mercado, deverá estar completo até Junho, de acordo com a pesquisadora Alzira Batista Cecílio, coordenadora da equipe.

"Produto natural não pode ser patenteado. Então, só após a formulação do larvicida, poderemos patentear e iniciar as negociações com as empresas," justificou Alzira.

Produtos naturais contra Aedes

O orégano e o cravo foram selecionados após análises de mais de 20 plantas.

O óleo é extraído com o uso de equipamentos específicos. Por essa razão, não adianta, por exemplo, colocar folhas de orégano ou cravo na água.

O estudo é um desdobramento de outra pesquisa mais ampla, que testa o uso de produtos naturais para combater diversos tipos de vírus.

"Nesse cenário preocupante em relação ao vírus da dengue, decidimos começar a estudar também plantas que pudessem eliminar o vetor," acrescenta Alzira. Além da dengue, o mosquito Aedes aegypti é o transmissor dos vírus zika e chikungunya.

Inseticida atóxico

Futuramente, está previsto também o teste desses óleos no combate a outras fases da vida do mosquito, o que pode levar ao desenvolvimento de um inseticida aerossol ou um repelente.

Segundo Alzira, o objetivo é desenvolver um produto que não contamine o meio ambiente, já que a maioria dos criadouros de larvas está espalhada, podendo ter contato com animais e até água voltada para o consumo humano, como por exemplo nas caixas d'água.

"Queremos um larvicida que seja degradado rapidamente e não contamine a água, ao mesmo tempo em que tenha boa eficácia. A maioria dos larvicidas usados hoje exige algum cuidado na aplicação e deixa a água com alguma toxicidade", explica.


Ver mais notícias sobre os temas:

Prevenção

Plantas Medicinais

Medicamentos Naturais

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

O que é melhor: Meditação ou Férias?

Os muitos mitos sobre as Dores nas Costas

Carne e barbatana de tubarão contêm altos níveis de neurotoxinas

Dor de cabeça: Conheça aquelas que exigem tratamento

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão