Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

08/04/2013

Ondas neurais questionam divisão do cérebro em áreas específicas

Redação do Diário da Saúde

Cérebro uno

Encorajados por estudos pioneiros que questionaram o paradigma atual das neurociências, mais e mais pesquisas rebatem a visão tradicional de que o cérebro possa ser dividido em áreas especializadas.

Primeiro foi a chamada música cerebral, mostrando que as ondas cerebrais não são apenas "tuntuns" de tambores, mas uma sinfonia completa.

Agora, David Alexander e Cees van Leeuwen, da Universidade de Leuven (Bélgica), deram mais uma demonstração de que a divisão do cérebro em áreas especializadas é rígida demais, e não corresponde à realidade.

Segundo eles, o córtex inteiro é ativado quando uma tarefa é iniciada, e não apenas as áreas tidas como responsáveis por uma determinada função.

Além disso, a atividade neuronal ocorre seguindo um padrão de ondas, que seguem ritmos de um lado do cérebro para o outro - não uma onda cerebral no sentido tradicional, mas um turbilhão de sinais neurais formando um bloco que ondula pelo cérebro.

Questão de escala

Segundo os pesquisadores, é possível estudar o cérebro em diversas escalas, e pode estar faltando uma perspectiva mais ampla para as neurociências.

"Você pode estudar os neurônios, os circuitos entre os neurônios, as áreas de Brodmann - as áreas que correspondem a determinadas funções - e o córtex inteiro. Tradicionalmente os cientistas têm olhado para a atividade local, por exemplo, para a atividade das áreas de Brodmann," disse o Dr. Alexander.

Isto é feito capturando dados de um eletroencefalograma conforme um voluntário faz uma determinada atividade.

Ondas neurais questionam divisão do cérebro em áreas específicas
Estudo é mais uma demonstração de que a divisão do cérebro em áreas especializadas é rígida demais, e não corresponde à realidade. [Imagem: KU Leuven]

O grupo belga escolheu uma abordagem diferente, capturando sinais do córtex inteiro, e não apenas de partes específicas. E os resultados são muito diferentes.

"Quando percebemos alguma coisa, a informação não morre em uma parte específica do nosso cérebro. Em vez disso, ela é adicionada à atividade já existente no cérebro. Se medirmos a atividade eletroquímica do córtex todo, encontramos um padrão de ondas.

"Este estudo mostra que a atividade cerebral não é local, mas sim uma atividade que se move constantemente de uma parte do cérebro para outra. A atividade local nas áreas de Brodmann só aparece quando você tira a média de muitas dessas ondas," afirmam os pesquisadores.

Ondas únicas

Segundo o grupo, cada onda no córtex cerebral é única.

"Quando alguém repete a mesma ação, como estalar os dedos, o centro motor no cérebro é estimulado. Mas a cada ação individual, você vê uma onda diferente no córtex como um todo. Talvez a pessoa estivesse mais envolvida na ação na primeira vez do que na segunda vez, ou talvez ela tinha outra coisa em sua mente ou teve uma intenção diferente para a ação.

"A direção das ondas também é significativa. Já é evidente, por exemplo, que as ondas de atividades relacionadas com a orientação se movem de forma diferente nas crianças - principalmente de trás para a frente - do que nos adultos. Com mais pesquisas, esperamos desvendar o que essas diferentes trajetórias de onda significam," concluem os pesquisadores.


Ver mais notícias sobre os temas:

Cérebro

Neurociências

Mente

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Cientistas dizem ter descoberto cura definitiva para alcoolismo

Vacina contra dengue pode fazer mais mal que bem em alguns locais

Os muitos mitos sobre as Dores nas Costas

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão

Carne vermelha todo dia faz mal? Especificamente que mal?