Pacientes com fibromialgia desconhecem a doença e não buscam tratamento

Fibromialgia

Dores musculares difusas (pelo corpo todo) e crônicas (recorrente há mais de três meses), distúrbios do sono, fadiga, ansiedade, depressão e problemas gastrointestinais. Esses são alguns sintomas de uma doença que é pouco conhecida da população mas que pode acarretar graves conseqüências para a qualidade de vida do paciente: a fibromialgia.

Estudo da Faculdade de Medicina (FM), da USP realizado no município de Embu das Artes, em São Paulo, revelou que 24% da população estava propensa a desenvolver a fibromialgia mas nenhum paciente tinha conhecimento sobre a doença. "Essas pessoas vivem mal e existem em uma quantidade consideravelmente grande, sem saber procurar tratamento adequado", comenta uma das autoras da pesquisa, a fisioterapeuta Cristina Capela.

Dores difusas e crônicas

A pesquisadora ressalta que os "fibromiálgicos" e "pré-fibromiálgicos" (que podem desenvolver a doença) muitas vezes vêem seu quadro se agravar por falta de informação, ocasionando uma vida cada vez mais difícil devido às dores difusas e crônicas e ao freqüente quadro depressivo que normalmente é tratado com terapia medicamentosa. Apesar de ser uma doença cujas causas ainda são desconhecidas, é possível amenizar os sintomas com exercícios aeróbicos, alongamentos, massoterapia, acunpuntura, hidroterapia, laserterapia, entre outros recursos.

No entanto, o primeiro passo é identificar o problema. "As pessoas tendem a tratar cada problema de maneira isolada. Por exemplo, vão ao ortopedista dizer que têm dor na perna. Aí vão ao psicólogo tratar a depressão. Depois passam pelo cardiologista para falar que o coração não está bom. Cada queixa será tratada com um remédio diferente, sendo que todos esses sintomas juntos são facilmente identificados pelo reumatologista como um quadro de Síndrome da Fibromialgia e, dessa forma, o paciente poderia ser encaminhado para tratamentos que amenizem os sintomas", enfatiza Cristina.

A pesquisa

O estudo abordou nove Unidades Básicas de Saúde (UBS) +3 da cidade de Embu das Artes. Foram entrevistadas 768 pessoas cadastradas nos postos no ano de 2003. Os entrevistados foram questionados quanto à presença ou não de dor e à qualidade do sono. Todos foram convidados a participar de uma avaliação na UBS mais próxima de sua residência.

Destes, 304 compareceram ao exame físico e responderam também a um questionário para avaliar os sintomas que freqüentemente estão associados a esta síndrome. Foi então que chegou-se ao resultado de que 4,4% da população de Embu já tinha fibromialgia, mas 20% pode desenvolver a doença por apresentar dores difusas e crônicas e forte correlação com os sintomas associados.

Na primeira etapa da pesquisa, por telefone, os pacientes diziam onde sentiam dor, há quanto tempo isso os incomodava e respondiam sobre a presença dos sintomas da doença. Depois, no exame físico, foram testados os 18 "pontos dolorosos", ou seja, foi aplicada uma certa pressão sobre as regiões "com dor". Se existissem pelo menos 11 pontos específicos em que a pressão não fosse suportável e, além disso, se apresentassem fadiga, distúrbio do sono, ansiedade e depressão, então ele era diagnosticado como fibromiálgico.

Ansiedade e depressão

A dissertação Avaliação da dor, qualidade de vida e sintomas secundários da fibromialgia na população de Embu: ansiedade e depressão, de Cristina faz parte de um projeto chamado Prevalência de fibromialgia e sintomas associados na população de Embu, município da Grande São Paulo, de autoria da professora Amelia Pasqual Marques, que contou, ao todo, com duas dissertações e três iniciações científicas para ser concluído. É apenas o segundo grande estudo sobre esta síndrome no Brasil, o que remete à pouca popularidade da fibromialgia embora seja bastante incidente, especialmente em mulheres entre 45 e 60 anos.


Ver mais notícias sobre os temas:

Dores Crônicas

Atividades Físicas

Terapias Alternativas

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2017 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.