Pacientes com próteses de silicone devem passar por exames

Só exames

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) recomenda que as pacientes com próteses de silicone de mama da empresa francesa Poly Implants Protheses (PIP) procurem seus médicos para passarem por exames e uma avaliação clínica.

Cerca de 25 mil brasileiras implantaram próteses mamárias da marca.

Autoridades francesas aconselharam 30 mil mulheres a retirar os implantes. As cirurgias serão custeadas pelo governo francês.

Inexplicável

Na França, as autoridades suspeitam que o gel usado na fabricação da prótese era de má qualidade, aumentando a possibilidade de rompimento.

Há suspeitas também que os implantes de silicone poderiam elevar a ocorrência de câncer - uma relação ainda não confirmada.

Mas isto não foi suficiente para que a Anvisa seguisse as recomendações da agência francesa.

A agência brasileira achou melhor lavar as mãos e passar o ônus da decisão para os médicos.

Proibição tardia

O implante mamário preenchido de gel de alta coesividade (nome comercial), deixou de ser vendido no Brasil em abril de 2010 por determinação da Anvisa, com base em informações da agência francesa de segurança sanitária que identificou taxa elevada de ruptura dos implantes mamários da PIP.

Até o momento, a Anvisa não registrou problemas com os implantes nas brasileiras.


Ver mais notícias sobre os temas:

Próteses

Saúde da Mulher

Implantes

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.