Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

26/05/2012

Papel bioativo avalia qualidade da água das praias

Redação do Diário da Saúde
Papel bioativo avalia qualidade da água das praias
As praias não são fechadas, e nem reabertas, com a precisão adequada, devido a dificuldades de análise da água, cuja qualidade muda constantemente. [Imagem: McMaster University]

Papel detector de bactérias

O fechamento de praias devido a surtos de coliformes fecais é comum no verão.

Mas as praias não são fechadas, e nem reabertas, com a precisão adequada, devido a dificuldades de análise da água, cuja qualidade muda constantemente.

Além disso, a tecnologia só é acessível para cidades maiores e com mais recursos.

Agora, cientistas da Universidade McMaster, no Canadá, desenvolveram um teste rápido, que utiliza uma tira de papel para detectar a bactéria E. coli em uma questão de minutos.

O novo dispositivo pode fechar o hiato que hoje existe entre o surto e sua detecção, melhorando a saúde pública.

Papéis bioativos

Papéis bioativos são usados para medir a glicose na urina desde os anos 1950, e há trabalhos em estágio avançado para torná-los verdadeiros laboratórios portáteis para detectar doenças.

As novas fitas são revestidas com produtos químicos que reagem com as bactérias.

Elas podem ser impressas rapidamente, utilizando a tecnologia de jato de tinta das impressoras, nas quais a tinta é substituída pelos reagentes.

Dentro de 30 minutos da colheita das amostras, o papel muda de cor para indicar a presença da E. coli, com uma codificação de cores para representar diferentes formas e diferentes concentrações das bactérias.

No futuro, o teste poderá tornar possível também para os consumidores verificarem a qualidade da água que chega às suas casas, sem equipamento adicional e sem necessidade de qualquer conhecimento ou treinamento.

Limites de bactérias na água

Segundo os cientistas, que criaram e já validaram o exame da qualidade da água, sua nova técnica detecta concentrações potencialmente nocivas de E. coli com uma precisão muito maior do que a tecnologia portátil existente atualmente.

"Coliformes são sempre um grande problema," diz o Dr. John Brennan. "Os métodos utilizados para detectar surtos são lentos e tendem a não ser portáteis, já que muitas vezes precisam de uma amplificação que só pode ser feita em laboratório, causando uma defasagem de tempo entre o surto e o fechamento da praia."

Os padrões para água potável são centenas de vezes mais rigorosos do que aqueles para que se possa nadar em segurança.

Tipicamente, os limites para a natação variam entre 100 a 500 bactérias a cada 100 mL de água.

Para a água ser considerada segura para beber, não pode ser encontrada nenhuma célula bacteriana em 100 mL de água.


Ver mais notícias sobre os temas:

Exames

Bactérias

Infecções

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Dor de cabeça: Conheça aquelas que exigem tratamento

Vacina contra dengue pode fazer mais mal que bem em alguns locais

Os muitos mitos sobre as Dores nas Costas

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão

Carne vermelha todo dia faz mal? Especificamente que mal?