Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

12/03/2013

Para viver mais, fique frio e coma wasabi

Redação do Diário da Saúde
Para viver mais, fique frio e coma wasabi
Além de temperaturas mais frias, o condimento japonês wasabi também ativa o canal TRPA1, responsável pelo aumento na longevidade.[Imagem: University of Michigan]

Viver mais no frio

Há muito tempo se sabe que animais de sangue frio, como vermes, moscas e peixes, vivem mais em ambientes mais frios.

O problema é que até hoje não se sabe exatamente a razão desse ganho em longevidade.

Uma primeira resposta parece ser particularmente interessante.

Cientistas descobriram um programa genético que aumenta a longevidade de vermes em ambientes frios.

A boa notícia é que esse programa genético também existe em animais de sangue quente, como os humanos.

"Isso levanta a intrigante possibilidade de que a exposição ao ar frio - ou a estimulação farmacológica do programa genético da sensibilidade ao frio - pode aumentar a longevidade em mamíferos," disse Shawn Xu, da Universidade de Michigan (EUA).

Leis da vida longa

Até agora, a hipótese mais aceita para a maior longevidade no frio era a de que os animais vivem mais em ambientes frios por causa de um processo termodinâmico passivo, em que as temperaturas baixas reduziriam a taxa de reações químicas e, assim, diminuiria a velocidade do envelhecimento.

"Mas agora, pelo menos nos vermes, a vida mais longa observada sob baixas temperaturas não pode ser explicada simplesmente por uma taxa reduzida de reações químicas," disse Xu. "É, de fato, um processo ativo, que é regulado por genes."

Xu descobriu que o ar frio ativa um receptor conhecido como canal TRPA1, encontrado nos nervos e nas células de gordura em nematoides, e o TRPA1 leva cálcio para as células.

A cadeia de eventos, em última análise, atinge o DAF-16/FOXO, um gene associado com a longevidade. Vermes mutantes que não tinham o canal TRPA1 tiveram vida mais curta mesmo a temperaturas mais baixas.

O estudo também associa a sinalização do cálcio com a longevidade, algo inédito na literatura científica, e descreve uma nova ligação entre o tecido gorduroso e a resposta à temperatura.

Como todos esses mecanismos existem em uma grande variedade de outros organismos, incluindo os humanos, os pesquisadores acreditam que pode ser possível obter um aumento de longevidade baixando a temperatura para os humanos.

Wasabi

Os cientistas já sabiam que reduzir a temperatura corporal de animais de sangue quente, como camundongos, em 0,5º C, pode aumentar seu tempo de vida em 20%.

Mas não seria prático para os seres humanos tentar reduzir a temperatura corporal central, disse Xu.

"Mas se alguns aspectos do processo de envelhecimento são iniciados nas células da pele e no tecido adiposo dos seres humanos, assim como o são nos nematoides, será que devíamos sair para abraçar um pouco de ar frio no inverno?" indaga o pesquisador.

Embora não tenha uma resposta definitiva, ele acrescenta que, além de temperaturas mais frias, o condimento japonês wasabi também ativa o canal TRPA1.

Ele deu wasabi para seus nematoides e eles também viveram mais, mesmo a temperatura normal.

Assim, em tempos de aquecimento global, talvez seja melhor frequentar mais os restaurantes japoneses.


Ver mais notícias sobre os temas:

Qualidade de Vida

Relacionamentos

Sentimentos

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

O que é melhor: Meditação ou Férias?

Os muitos mitos sobre as Dores nas Costas

Carne e barbatana de tubarão contêm altos níveis de neurotoxinas

Dor de cabeça: Conheça aquelas que exigem tratamento

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão