Paralisia por lesão na medula é curada em cobaias

Paralisia por lesão na medula é curada em cobaias
Usando um exoesqueleto robótico para treinar, o rato voltou a andar algumas semanas depois de estar totalmente paralítico.
[Imagem: EPFL]

Cérebro espinhal

Neurocientistas do instituto suíço EPFL conseguiram recuperar o movimento de ratos que estavam totalmente paralisados por lesões graves na medula espinhal.

Segundo Grégoire Courtine, líder da equipe, a medula espinhal possui uma espécie de "cérebro" - ele o chama de "cérebro espinhal".

O experimento mostrou que, ativando essa inteligência inata é possível produzir uma capacidade regenerativa da medula espinhal, que reconstrói-se sozinha para superar a lesão.

Ainda não está claro se a técnica funcionará com os mesmos resultados para seres humanos, mas o crescimento dos nervos observado nos animais já é suficiente para dar esperança de novas técnicas para tratamento das paralisias por lesão na medula.

Neuroplasticidade

O tratamento dado aos animais inclui uma sofisticada técnica de reabilitação, usando um exoesqueleto.

"Após duas semanas de neurorreabilitação, usando uma combinação de um robô e estimulação eletroquímica, nossos ratos não apenas começaram a desenvolver sozinhos um novo jeito de andar, como também logo estavam correndo, subindo escadas e evitando obstáculos," disse o Dr. Courtine.

Por muito tempo se falou que o número de neurônios no cérebro era fixo, e que eles só faziam morrer ao longo da vida. Era assim que se explicava, há poucos mais de uma década - os déficits cognitivos observados na velhice.

Mas depois os neurocientistas descobriram que não apenas o cérebro, mas também a medula espinhal, podem se adaptar e recuperar de danos moderados, uma capacidade conhecida como neuroplasticidade.

Mas até agora se considerava que a plasticidade da medula espinhal era pequena demais para permitir uma recuperação depois de uma lesão grave, o que mantém a crença de que a recuperação de uma paralisia radical seria impossível.

Recuperação da lesão na medula

É aqui que entra o novo trabalho, mostrando que, com um mecanismo de ativação adequado e com um sistema de reabilitação tecnicamente bem desenvolvido, a recuperação é possível.

Para isso, os cientistas suíços "acordaram" a medula espinhal, usando um coquetel de compostos químicos que substituem os neurotransmissores que, por causa da lesão, não conseguem mais chegar aos nervos.

A seguir, os nervos receberam uma estimulação elétrica através de eletrodos implantados na camada mais externa da medula espinhal.

É como ganhar a Copa do Mundo

Courtine chama o recrescimento das fibras que resulta do tratamento de uma "nova ontologia", uma espécie de duplicação da fase de crescimento do ser humano.

A equipe constatou que as fibras nervosas recém-formadas fazem uma ponte sobre a região lesionada, permitindo que os sinais que vêm do cérebro alcancem a medula "acordada" eletroquimicamente.

"Isto é como ganhar a Copa do Mundo para a neurorreabilitação," disse o pesquisador. "Nossos ratos se tornaram atletas apenas algumas semanas depois de estarem completamente paralisados. Eu estou falando de uma recuperação de 100% dos movimentos voluntários."

Veja outras pesquisas que dão esperança para a recuperação de lesões na medula espinhal.


Ver mais notícias sobre os temas:

Neurociências

Cérebro

Acidentes

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.