Parasita do tomate protege humanos contra Doença de Chagas

Parasita do tomate protege humanos contra Doença de Chagas
Parasita do tomate pode oferecer imunidade, pelo menos parcial, contra a infecção pelo T. cruzi, causador da doença de Chagas
[Imagem: Apta]

Tomate contra Chagas

Um parasita encontrado no tomate pode conferir proteção parcial contra a doença de Chagas. A possibilidade foi levantada pela primeira vez ainda na década de 1990, por José Victor Jankevicius, então professor da Universidade Estadual de Londrina (UEL), que isolou e caracterizou o ciclo biológico do Phytomona serpens 15T, da mesma família do Trypanosoma cruzi, o causador da doença.

A diferença é que o P. serpens não faz mal ao ser humano, por ser uma praga típica do tomateiro. Pesquisadores do mesmo laboratório de Jankevicius, agora aposentado, descobriram que exatamente por causa dessa "familiaridade" o parasita apresenta proteínas similares que podem "matar" o T. cruzi.

Imunização e contaminação

"Para entender nossa descoberta, é necessário conhecer a estratégia usada por Jankevicius, que imunizou camundongos uma vez por semana durante um mês - via oral e intraperitoneal - e, sete dias depois da última inoculação, infectou esses mesmos animais com doses letais do Trypanosoma cruzi", disse Igor Campos Damiani, aluno do Departamento de Microbiologia da UEL, à Agência FAPESP.

"Ele verificou que todos os animais imunizados com o P. serpens apresentavam uma menor parasitemia [nível de parasitas no sangue], enquanto que os que não foram imunizados acabaram morrendo", disse Damiani, que apresentou os resultados da pesquisa no Simpósio Internacional Comemorativo do Centenário da Descoberta da Doença de Chagas, realizado pela Fundação Oswaldo Cruz no Rio de Janeiro, na semana passada.

Proteínas para imunização

A partir do primeiro passo dado por Jankevicius, a equipe tem se dedicado a descobrir possíveis proteínas específicas do parasita do tomate que causam a imunização contra a infecção pelo T. cruzi. Identificaram 22 e uma, em especial, chamou a atenção: a GAPDH, existente em quase todos os organismo vivos - inclusive em células humanas - e que desempenha papel-chave no metabolismo da glicose no processo de geração da energia que mantém vivo o parasita de Chagas.

"Se inibido, de alguma forma, o parasita não poderá mais produzir energia e morrerá. Como a GAPDH existe tanto no Phytomona como no T. cruzi, os anticorpos produzidos contra a GAPDH do primeiro também reconhecerão essa proteína no outro, inibindo sua ação. Dessa forma, o T. cruzi não poderá mais usar a glicose como fonte de energia", explicou Damiani.

Proteína do parasita

Recentemente, o grupo paranaense inoculou somente a proteína de Phytomona clonada em camundongos infectados. Os resultados mostraram que a parasitemia baixou depois da imunização com a proteína GAPDH.

"Jankevicius inoculou o parasita Phytomona inteiro nos animais. Nós inoculamos somente a proteína, essa é a diferença", disse Damiani, que desenvolve a pesquisa sob a coordenação da professora Sueli Yamada Ogatta.

A descoberta pode favorecer o desenvolvimento de vacinas recombinantes e de DNA. "Mas, embora promissores, são resultados preliminares e ainda é cedo para gerar expectativas", ressaltou Damiani.


Ver mais notícias sobre os temas:

Desenvolvimento de Medicamentos

Vacinas

Infecções

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.