Perigo à mesa: peixes e camarões contaminados com mercúrio

Frutos do mar com metais pesados

Nos últimos anos, três trabalhos revelaram dados estarrecedores sobre a qualidade dos frutos do mar consumidos no Brasil. De populações ribeirinhas do Amazonas aos restaurantes estrelados do Rio de Janeiro, são várias as chances de se ingerir frutos do mar e peixes contaminados por metais pesados.

As conclusões são de pesquisas feitas pelo biofísico Mauro de Freitas Rebelo, pesquisador e professor do Instituto de Biofísica Carlos Chagas Filho da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), que estuda frutos do mar há mais de uma década.

Contaminação em peixes amazônicos

É o caso verificado no Amazonas. "As pesquisas do nosso laboratório, lideradas pelos biólogos João Paulo Torres e Wanderley Bastos, no rio Madeira, e Jean Remy Davee Guimarães, no rio Tapajós, mostram que 70% das espécies de peixes carnívoros da Amazônia, como o tucunaré e o pintado, têm concentrações acima de 500 ng/g (500 nanogramas por grama). Alguns chegam a acumular 4700 ng/g. Entre os detritívoros (que se alimentam de dejetos), como o curimbá e o curimatã, herbívoros e omnívoros, esse percentual cai para 20%", atesta Mauro Rebelo que lembra que para as populações ribeirinhas esses peixes são a principal fonte alimentar.

Contaminação por mercúrio

Perigo à mesa: peixes e camarões contaminados com mercúrioPara efeito de comparação, cerca de 900 habitantes de Minamata, cidade na costa ocidental da Ilha de Kyushu, no Japão, morreram vítimas da contaminação deste metal provocada pelas atividades da Corporação Chisso, na década de 1950. O nível de mercúrio no organismo humano chegava a 60 ng/g, o que levava a convulsões, surtos de psicose, perda de consciência, febre alta, coma e, em alguns casos, morte.

A contaminação por mercúrio na região Amazônia começou a chamar a atenção com a corrida do ouro, nos anos 1980, cujo ápice foi o garimpo de Serra Pelada, no Pará. Na época, o professor Wolfgang Pfeiffer fez uma pesquisa para estudar os níveis de contaminação de mercúrio na extração do ouro de aluvião do Rio Madeira e constatou que os peixes estavam envenenados.

Na década de 90, com o fim da corrida do ouro, os níveis de mercúrio recrudesceram. Verificou-se, então, que o mercúrio não vinha somente da atividade extrativista, mas do próprio solo da floresta. Com o desmatamento para a pecuária e a plantação de soja, o solo ficou desprotegido e o mercúrio, que faz parte da composição da terra, foi levado para os rios com a lixiviação (processo de lavagem de solos pelas águas das chuvas carregando os sedimentos para outras áreas).

Contaminação da população amazônica

Bastos, Torres e uma equipe de pesquisadores, incluindo Rebelo, pesquisaram 20 famílias que moravam às margens do Lago do Puruzinho, no Amazonas, próximo do município de Humaitá, divisa com Rondônia. São cerca de 200 pessoas que vivem numa economia de subsistência, pesca basicamente, sem luz elétrica nem água encanada.

Por meio de testes (de fios de cabelo até leite materno), os cientistas descobriram que a população apresentava níveis de mercúrio acima do permitido. "Os níveis estavam entre 6 e 16 ng/g ou ppb (partes por bilhão, um em um bilhão, o mesmo que ng/g) de mercúrio, o que, segundo especialistas, seria suficiente para causar déficit de aprendizado, perda de sensibilidade nas extremidades, constrição do campo visual, danos no sistema nervoso central", enumera Rebelo, 37 anos, doutor em biofísica pela UFRJ (2001) e pós-doutor pela Università degli Studi del Piemonte Orientale, na Itália.

Num único jovem foi detectado cerca de 30 ppb de mercúrio, revelou o biólogo. Apesar das evidências, os pesquisadores não encontraram danos aparentes na população ribeirinha do Amazonas. Apesar disso, aconselharam as grávidas a suspenderem o consumo de peixe durante a gestação. "É sabido que o mercúrio causa má-formação no sistema nervoso de fetos", disse Rebelo.

Outra pesquisa, realizada por Wanderlei Bastos, da Universidade Federal de Rondônia, mapeou o Rio Madeira e confirmou os resultados da equipe de Puruzinho. "Foram estudados cerca de mil quilômetros de rio, visitaram os ribeirinhos, coletaram amostras de cabelo, peixe, sedimentos, água, a cada 25 quilômetros de rio", explicou o biólogo. O estudo, realizado entre 2004 e 2007, gerou uma tese defendida no final do ano passado.

Toxicidade nos peixes marinhos

O grupo de pesquisa em que Rebelo atua dedica-se há dez anos a analisar as baías de Guanabara, Sepetiba e Ilha Grande, o sistema do Paraíba do Sul e Guandu, além dos reservatórios de Vigário e Ribeirão das Lages, no estado do Rio de Janeiro. Rebelo elegeu as coquilles saint-jacques (conhecidas ainda como vieira, vieira-de-mergulho e leque-do-mar) para o estudo sobre toxicidade. E os resultados também se aproximam dos encontrados na Amazônia e no Ceará.

O Instituto de Ecodesenvolvimento da Ilha Grande, localizado na Baía de Sepetiba (uma ONG e laboratório que recebe financiamento da Petrobras para executar um projeto de repovoamento de moluscos na região), forneceu as coquilles saint-jacques para o projeto "Toxicocinética de zinco e cádmio no Nodipecten nodosus". "Queríamos investigar se o ambiente estava poluído, pois a coquille saint-jacques é resistente à contaminação, ela não acumula zinco, mas cádmio", explicou Rebelo. A investigação analisou a contaminação para nove metais pesados. "Encontramos apenas cádmio e zinco acima dos níveis basais."

Cádmio e zinco

A Baía de Sepetiba sofreu durante quase 40 anos com as atividades da Ingá Metalúrgica (indústria produtora de óxido de zinco e zinco em pó), que despejou cádmio e zinco nas águas sem qualquer tratamento. A indústria faliu em 1998. E as suspeitas da contaminação surgiram durante as obras de ampliação do Porto de Sepetiba, que ficava ao lado da Ingá, nos anos 90. A dragagem acontecia em Itaguaí e os rejeitos supostamente deveriam acontecer longe da costa, mas teriam sido depositados em Mangaratiba. O caso foi parar na Justiça. "Hoje, este é um dos maiores passivos ambientais do país e o rejeito foi comprado pelo governo de Minas Gerais", recorda Rebelo.

Produção de camarões

As cerca de 40 fazendas produtoras de vieiras da região da Baía da Ilha Grande criam esses animais engaiolados, deixando os moluscos confinados no mar, de onde eles extraem o fitoplâncton para sua alimentação. "Esses animais dão uma boa amostragem da poluição do ambiente", explica Rebelo. "Há fortes evidências de que a poluição proveniente dos rejeitos da Ingá esteja chegando à região, que produz 90% das vieiras que abastecem os restaurantes do Rio de Janeiro", calcula Rebelo.

"Como não há na legislação brasileira limites de contaminação para todos os metais em pescados, usamos, então, os parâmetros da ONU que estipulam o limite de 1ppm (micrograma de cádmio por grama de coquille)." Como os coquilles chegam a acumular até 15 ppm, se uma pessoa ingerisse 20 vieiras, já se teria superado o teto de tolerância para ingestão diária de cádmio permitido.

Prevenção de desastres ambientais

Os estudos de Rebelo e sua equipe querem justamente monitorar e prevenir desastres ambientais usando como referência de contaminação a fauna local. "Nossa linha de pesquisa principal é o estudo de mecanismos de toxicidade e detoxificação em invertebrados para o desenvolvimento de biomarcadores de contaminação que possam contribuir para o monitoramento costeiro e a qualidade dos ecossistemas adjacentes", explica Rebelo. "Estamos aplicando ferramentas de biologia molecular, como PCR em tempo real e microarranjos de DNA, para estudar esses mecanismos em nível molecular."

Envenenamento de frutos do mar

Perigo à mesa: peixes e camarões contaminados com mercúrioA conclusão da pesquisa intitulada "Estudos de perfis de expressão gênica em bivalves expostos a contaminantes ambientais - Construção de uma nova abordagem para estudos ecotoxicológicos", feita no Instituto de Biofísica Carlos Chagas Filho da UFRJ, também aponta para uma fonte de envenenamento de frutos do mar inusitada. Uma das vertentes da pesquisa, que estuda a contaminação de camarões cultivados no Nordeste, mostra a partir da análise de dez marcas de rações dadas a camarões, que esses insumos são os responsáveis pela contaminação desses animais por mercúrio (Hg) e cobre M.

"As concentrações de mercúrio variavam de um lote para outro da mesma ração. Isso indica que a contaminação não aconteça no processo de produção da ração. A farinha de peixe já deve vir contaminada", sugere o biólogo Diogo Coutinho, estudante de mestrado e participante do projeto pela UFRJ. A hipótese é que os peixes comprados pelas fábricas beneficiadoras são de má qualidade e já chegam contaminados. "Peixes do topo da cadeia alimentar, mamíferos marinhos, animais que vivem em locais contaminados podem apresentar elevadas concentrações de mercúrio nos tecidos. E principalmente nas vísceras, que podem ser usadas também para fazer a farinha de peixe", explica.

Perigo à saúde humana

Segundo Coutinho, não há motivos para a população se alarmar, pois os índices de contaminação não representam perigo à saúde humana. Mas já não se pode falar o mesmo em relação aos animais. Mesmo sem ficar envenenados, estes animais sofrem com efeitos colaterais, como o baixo peso. Isso se dá, segundo as análises, porque o organismo do animal gasta energia para expelir o metal pesado, ficando, assim, abaixo do peso. "Realmente, os níveis de mercúrio encontrados nos camarões não são maléficos à nossa saúde, já que estão bem abaixo dos limites estipulados no Brasil (0,5 ng/g por dia de Hg). Mas as concentrações de mercúrio a que os camarões estão sendo submetidos, mediante a contaminação nas rações, estão sendo prejudiciais para os próprios camarões. Os nossos experimentos mostram justamente isso, que os animais estão acumulando o metal proporcionalmente às concentrações encontradas no alimento", conclui Coutinho.

Detoxificação

O estudo, que consumiu dois anos, foi feito em parceria com a Universidade Federal do Ceará (UFC), dentro do projeto Rede de Carcinicultura do Nordeste, apoiada pela Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), vinculada ao Ministério da Ciência e Tecnologia. O objetivo dos biólogos, que realizaram a experiência no complexo estuário do Rio Jaguaribe, no Ceará, era revelar as variáveis da detoxificação (que significa a retirada de substâncias tóxicas do organismo, que difere da desintoxicação, que é a retirada de substâncias tóxicas do organismo por meio do uso de outros tóxicos).

Legislação falha

Mas, afinal, o que determina a legislação brasileira em relação à fiscalização das rações? "Não consta nenhuma resolução na Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária, órgão responsável pelo controle sanitário da produção e da comercialização de produtos e serviços, inclusive dos ambientes, dos processos, dos insumos e das tecnologias) que obrigue as beneficiadoras de ração a informarem ao produtor a existência de contaminação de qualquer tipo no rótulo das rações. Parece também que a Anvisa não fiscaliza as rações, já que em todos os lotes amostrados por nosso grupo, foi encontrada contaminação pelo metal", alerta Coutinho.

Peixes de procedência conhecida

Uma solução para controlar as contaminações, ou pelo menos reduzi-las, seria a aquisição de peixes de procedência reconhecida por parte das fábricas de ração, aconselham os biólogos. "Além disso, as beneficiadoras deveriam passar a fazer avaliações periódicas nas rações fabricadas, para uma série de contaminantes, como por exemplo, o mercúrio. Com essas medidas, quem sai ganhando é o produtor, já que o prejuízo conseqüente da compra de rações de má qualidade vai pesar no seu bolso", indica Coutinho. Mesmo estando abaixo do nível tolerado pelo organismo, a ingestão de camarão contaminado com mercúrio só acarretaria efeitos nocivos nos seres humanos dependendo da dose. Segundo Coutinho, "para que essas concentrações pudessem representar um risco importante, o consumo deveria ser altíssimo".

Genomas para moluscos

Neste momento, Mauro Rebelo se dedica a projetos de genomas para moluscos, uma pesquisa inédita no país. "A FAPERJ tem apoiado essa linha de pesquisa, nos beneficiando com diversos editais para jovens pesquisadores e agora vamos concorrer no edital de grupos de pesquisa emergentes. Apesar disso, os recursos ainda são parcos, pois essas técnicas são muito dispendiosas. Não existem projetos genomas para ostras, mexilhões e camarões e todo nosso trabalho aplicado depende do desenvolvimento de uma sólida base de conhecimento básico. Vamos continuar trabalhando."


Ver mais notícias sobre os temas:

Alimentação e Nutrição

Contaminação

Intoxicação

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2017 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.