Pesos leves na academia são tão eficazes quanto pesos pesados

Pesos leves na academia são tão eficazes quanto pesos pesados
"A fadiga é o grande equalizador aqui: levantar pesos ao ponto de exaustão, não importando se os pesos são pesados ou leves."
[Imagem: McMaster University]

Pesos leves

Uma equipe de especialistas em medicina do esporte da Universidade McMaster (Canadá) está desafiando tudo o que se acreditava saber sobre os exercícios que milhões de pessoas - amadoras e profissionais - fazem todos os dias nas academias de ginástica.

A nova conclusão é que levantar pesos mais leves é tão eficiente quanto levantar pesos mais pesados em menos repetições.

A "sabedoria tradicional" entre os especialistas na área é que a melhor maneira de ganhar musculatura é levantar pesos pesados.

"A fadiga é o grande equalizador aqui: levantar pesos ao ponto de exaustão, não importando se os pesos são pesados ou leves," explica o professor Stuart Phillips.

Pega leve, mas pega firme

As conclusões vieram depois de um comparativo envolvendo dois grupos de levantadores de peso experientes, que seguiram um protocolo de treinamento de corpo inteiro com duração de 12 semanas.

Um grupo levantou pesos mais leves (até 50% da força máxima) em sessões variando de 20 a 25 repetições. O outro grupo levantou pesos mais pesados (até 90% da força máxima) durante oito a 12 repetições. Ambos os grupos levantaram até o ponto de falha, quando não conseguiam mais erguer o peso.

Ambos os grupos ganharam musculatura nos mesmos níveis e apresentaram as mesmas medidas do tamanho das fibras musculares, uma medida-chave de força.

Outra conclusão importante foi que nem o crescimento muscular e nem o aumento da força se mostraram relacionados com a testosterona ou com o hormônio de crescimento (somatotrofina), que muitos acreditam ser os responsáveis por esses ganhos.

Os resultados foram publicados no Journal of Applied Physiology.


Ver mais notícias sobre os temas:

Atividades Físicas

Diversão

Ergonomia

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.