Pesquisas científicas perigosas devem ser controladas pela sociedade

Em 2012, cientistas geraram temor ao criar um vírus mutante da gripe aviária.

Eles aumentaram artificialmente a capacidade de um vírus de gripe, que antes só afetava aves, tornando-o capaz de contaminar seres humanos.

Anteriormente, outra equipe já havia reconstruído o vírus da gripe espanhola de 1918.

Mais recentemente, foi a vez de os cientistas reviverem um vírus gigante congelado há 30 mil anos.

Pesquisas de duplo uso

Agora, um relatório elaborado pelo Conselho de Ética da Alemanha, um órgão consultivo do governo daquele país, afirma que essas pesquisas deveriam ser controladas pelo governo.

O relatório chama essas pesquisas de "duplo uso", já que elas podem tanto fazer avançar a ciência e a medicina, quanto produzir conhecimentos e tecnologias de destruição, cujo uso pode ser intencional ou não.

A condução desse tipo de pesquisa é alvo de controvérsia em todo o mundo, mas a decisão do que pesquisar ou não cabe aos próprios cientistas.

Em seu parecer, o Conselho reconhece que há "aspectos incalculáveis" na análise dos riscos da pesquisa biológica, mas acrescenta que "o uso ilícito não pode ser excluído categoricamente", não importando o grau de segurança dos laboratórios.

O texto pede que uma definição de "pesquisa de duplo uso" seja estabelecida em lei, e que uma comissão governamental específica seja criada para autorizar ou vetar o financiamento público desse tipo de pesquisa.


Ver mais notícias sobre os temas:

Ética

Vírus

Contaminação

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.