Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

07/02/2012

Pessoas mentem mais em mensagens de texto

Redação do Diário da Saúde

Mentiras e verdades eletrônicas

As pessoas mentem mais quando enviam mensagens de texto do que quando se comunicam por outros meios.

Os cientistas compararam o nível de mentiras que as pessoas usaram em uma grande variedade de mídias, das mensagens de texto pelo celular até as conversas face-a-face.

O que mais surpreendeu é que o popular bordão "Você terá que falar isto olhando nos meus olhos" não tem tanta força quanto se imagina.

Ou, pelo menos, não garante uma declaração imune a mentiras.

Talvez seja melhor dizer: "Você terá que me falar isto pelo Skype".

Jogo da Bolsa de Valores

O teste consistiu em um jogo no qual 170 estudantes foram divididos entre "vendedores", que ganhariam comissões sobre a venda de ações, e "compradores", que ganhariam um valor a ser determinado com base no preço final das ações.

Os vendedores receberam uma informação privilegiada de que as ações estavam prestes a perder metade do seu valor.

Os compradores só ficaram sabendo disso no final do jogo, e então tiveram que contar se os vendedores haviam empregado alguma mentira para fazer com que eles comprassem suas ações.

Os pesquisadores então analisaram quais formas de comunicação levaram ao maior número de mentiras.

Mídia da mentira

Os compradores que receberam informações por mensagens de texto foram 95% mais propensos a dizer que o vendedor havia mentido para eles, um índice que caiu para 31% nas conversas face-a-face.

De forma um tanto surpreendente, a mentira foi menos usada na interação por meio de videoconferência, quando comprador e vendedor se viam por chamadas com áudio e vídeo pela internet.

Para o professor, David Xu, da Universidade Wichita (EUA), que idealizou o estudo, isso se deve ao "efeito holofote", onde uma pessoa sente que está sendo observada mais de perto em vídeo do que face-a-face.

Segundo ele, estudos como esse têm implicações para os consumidores, que podem evitar problemas, como as fraudes online, e para as empresas que se preocupem em construir uma imagem de credibilidade, qualquer que seja o meio de comunicação.


Ver mais notícias sobre os temas:

Comportamento

Emoções

Ética

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Ultrassom no 1º trimestre de gravidez pode agravar autismo

Os muitos mitos sobre as Dores nas Costas

Carne e barbatana de tubarão contêm altos níveis de neurotoxinas

Dor de cabeça: Conheça aquelas que exigem tratamento

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão