As pessoas são natural e universalmente otimistas, diz pesquisa

Pesquisa mostra que as pessoas são natural e universalmente otimistas
Mapa do otimismo: O otimismo é mais elevado na Irlanda, no Brasil, na Dinamarca e na Nova Zelândia. Os menores níveis de otimismo foram observados no Zimbábue, no Egito, no Haiti e na Bulgária.
[Imagem: University of Kansas/Gallup]

Otimismo universal e sem fronteiras

Apesar das calamidades, das recessões econômicas, das guerras, da fome e de uma epidemia de gripe que assola o mundo, um novo estudo feito por pesquisadores da Universidade do Kansas (EUA) e pelo Instituto Gallup indica que os humanos são otimistas por natureza.

O estudo, apresentado durante a reunião anual da Associação de Ciências Psicológicas dos Estados Unidos, realizada em São Francisco, mostra que o otimismo é universal e sem fronteiras.

Fenômeno universal

Os dados foram coletados em mais de 140 países, oferecendo uma amostra representativa de 95% da população mundial. A amostra entrevistada incluiu mais de 150.000 adultos.

Nada menos do que 89% dos indivíduos ao redor do mundo esperam que os próximos cinco anos serão tão bons ou melhores do que a sua vida atual, e 95% dos indivíduos esperam que suas vidas nos próximos cinco anos serão tão boas ou melhores que suas vidas eram cinco anos atrás.

"Esses resultados fornecem evidências convincentes de que o otimismo é um fenômeno universal," afirma Matthew Gallagher, psicólogo que coordenou o estudo.

Otimismo brasileiro

Em nível de países, o otimismo é mais elevado na Irlanda, no Brasil, na Dinamarca e na Nova Zelândia. Os menores níveis de otimismo foram observados no Zimbábue, no Egito, no Haiti e na Bulgária.

Fatores demográficos, como idade e renda familiar, mostram ter uma influência modesta sobre os níveis individuais de otimismo.


Ver mais notícias sobre os temas:

Sentimentos

Relacionamentos

Qualidade de Vida

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2017 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.