Peste Negra forçou seleção natural na Europa

Peste Negra forçou seleção natural na Europa
Desde Darwin, a teoria da seleção natural vem sendo aprimorada. Mecanismos epigenéticos, por exemplo, têm mostrado que o DNA não é único e as mutações podem não ser aleatórias.
[Imagem: Mariana Silva/Lars Jansen/IGC]

As gerações de europeus que viveram imediatamente após o fim da Peste Negra, que atingiu o continente no século 14, foram compostas por indivíduos mais fortes e saudáveis que as gerações imediatamente anteriores.

A antropóloga Sharon De Witte, da Universidade da Carolina do Sul (EUA), chegou a essa conclusão extrapolando os dados de amostras retiradas de cemitérios londrinos usados antes e depois da praga, que eliminou pelo menos 30% da população europeia.

A autora nota que estudos anteriores já haviam determinado que a peste não matava de modo indiscriminado, mas "selecionava" suas vítimas entre as pessoas que já eram mais fracas e de saúde frágil.

"Dado que a mortalidade associada à Peste Negra foi extraordinariamente alta e seletiva, a epidemia medieval pode ter moldado os padrões de saúde e a demografia da população sobrevivente", escreve De Witte em seu artigo, publicado no periódico PLoS ONE.

Depois de comparar dados demográficos e as amostras dos cemitérios, onde esqueletos foram analisados para definição de longevidade e saúde, a autora conclui: "Os resultados deste estudo indicam que a mortalidade e a taxa de sobrevivência melhoraram nas gerações seguintes à Peste Negra (...). Estes resultados põem em evidência o poder das doenças infecciosas em moldar padrões de saúde e demografia de populações inteiras, tanto no curto quanto no longo prazo".


Ver mais notícias sobre os temas:

Epidemias

Genética

Sistema Imunológico

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.