Pfizer vai pagar US$ 2,3 bilhões por fraude na venda de remédios

Fraudes

A gigante farmacêutica Pfizer aceitou pagar uma multa de US$ 2,3 bilhões em um acordo extrajudicial ligado ao maior caso de fraude relacionada com saúde da história dos Estados Unidos, informou nesta quarta-feira o Departamento de Justiça americano.

A empresa foi acusada de divulgar e vender quatro medicamentos para usos não regulamentados pelo Departamento de Saúde do país.

Segundo o Departamento de Justiça dos EUA, a Pfizer promoveu ainda os anti-inflamatórios Bextra e Geodon, o antipsicótico Zyvox e o Lyrica, usado para epilepsia, diretamente a médicos, recomendando usos e dosagens não aprovadas.

A empresa é a maior farmacêutica do mundo em termos de vendas.

Crimes da Pfizer

"Lamentamos algumas atitudes tomadas no passado, mas nos orgulhamos das ações adotadas para fortalecer nossos controles internos", disse o Conselho Geral da Pfizer.

"O tamanho e a seriedade da resolução, incluindo a grande multa criminal, refletem a seriedade e o tipo de crimes da Pfizer", disse Mike Loucks, advogado que representou o Estado de Massachusetts no processo.

A empresa vai pagar uma multa de US$ 1.195 bilhão e uma companhia subsidiária, a Pharmacia & Upjohn, deve desembolsar US$ 105 milhões, totalizando uma resolução criminal de US$ 1,3 bilhão.

O US$ 1 bilhão restante deve ser pagos para encerrar a parte civil do processo.

A Pfizer indicou uma queda de 90% em seus lucros no quarto trimestre de 2008 por causa do acordo de US$ 2,3 bilhões, indicando que sabia que teria que pagar esta quantia antes mesmo do anúncio do acordo com o Departamento de Justiça.


Ver mais notícias sobre os temas:

Ética

Violência

Medicamentos

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.