Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

11/03/2013

Planta amazônica possui composto anticancerígeno

Com informações do INPA
Planta amazônica possui composto anticancerígeno
A planta pertence à família Rubiaceae, a mesma do café, e possui um fruto comestível. [Imagem: INPA]

Parente do café

Uma pesquisadora brasileira descobriu em uma planta amazônica uma substância com potencial para atuar como medicamento anticancerígeno.

A substância, um alcaloide com potencial anticancerígeno, foi extraída da planta Duroia macrophylla, popularmente conhecida como puruí-grande-da-mata.

A espécie pertence à família Rubiaceae, a mesma do café, e possui um fruto comestível, mas não muito consumido.

A descoberta foi feita por Cecília Veronica Nunez, do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA).

"Esse alcaloide específico mostrou atividades sobre células tumorais de leucemia humana, adenocarcinoma gástrico [câncer de estômago] e melanoma [câncer de pele]", disse Cecília. "Isso, por enquanto, em linhagens em células, ou seja, o ensaio in vitro. Ainda precisamos realizar os ensaios de todas as etapas pré-clínica e clínica."

De acordo com a pesquisadora, pela alta atividade que a substância apresentou e pela baixa toxicidade em células sadias, "existe um potencial muito grande. Mas é prematuro dizer para já se utilizar a planta [em tratamentos contra o câncer]", ponderou.

Bioprospecção

Ainda em andamento, a pesquisa está dividida em duas frentes: a primeira é o estudo da planta para encontrar outros alcaloides minoritários com possíveis atividades ainda maiores. A segunda é a tentativa de obtenção da cultura de células da planta para uma produção maior do alcaloide, já que a planta o produz em pequena quantidade, exigente concentração do composto para passar às etapas in vivo.

A técnica, conhecida como bioprospecção, consiste na coleta do material biológico, preparação de extratos e avaliação em diversos ensaios biológicos.

"Foi muito trabalhoso realizar o isolamento e a identificação estrutural do alcaloide, mas foi muito bom poder encontrar uma substância com esse potencial", observou Cecília.

Segundo ela, esse é o primeiro estudo químico realizado com a planta. "Ela forneceu um alcaloide inédito na literatura. Já existe o esqueleto, mas a posição como a estrutura está ligada é inédita, então ainda tem muita coisa a ser descoberta", afirmou.

O INPA já patenteou a descoberta, preparando-se para acordos com outras instituições ou empresas para aprofundar os estudos com vistas ao desenvolvimento de um medicamento.


Ver mais notícias sobre os temas:

Plantas Medicinais

Medicamentos Naturais

Câncer

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Cientistas dizem ter descoberto cura definitiva para alcoolismo

Vacina contra dengue pode fazer mais mal que bem em alguns locais

Os muitos mitos sobre as Dores nas Costas

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão

Carne vermelha todo dia faz mal? Especificamente que mal?