Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

17/11/2015

Plantas medicinais tornam-se aliadas do soro antiofídico

Com informações da Agência Fapesp
Plantas medicinais tornam-se aliadas do soro antiofídico
Bothrops insularis ou jararaca-ilhoa. Outra equipe brasileira já havia desvendado o mecanismo que causa a hemorragia da picada da jararaca.[Imagem: Eduardo Cesar/FAPESP]

Soro e pomada

A recomendação médica é expressa: quem é picado por uma cobra venenosa deve receber o soro antiofídico com urgência.

Mas talvez haja tratamentos complementares, sobretudo quando a picada deixa lesões graves.

"O soro tem ação sistêmica. Consegue minimizar os distúrbios de coagulação, a insuficiência renal e evitar a morte, mas, no caso das jararacas, não combate lesões locais sérias, como feridas e necroses, que podem levar à amputação de pernas e braços," explica o biólogo Carlos Fernandes, da Universidade Estadual Paulista (Unesp) em Botucatu.

Buscando alternativas para esses casos, ele demonstrou que plantas medicinais usadas por comunidades tradicionais e indígenas são eficazes para tratar as lesões locais.

"Esperamos que uma pomada, por exemplo, possa num futuro próximo complementar o efeito do soro," explicou o pesquisador, que publicou os resultados do seu trabalho na revista científica PLoS One.

Plantas medicinais para picada de cobra

Por volta de 30 mil pessoas são picadas por serpentes no Brasil a cada ano, segundo dados do Ministério da Saúde. As principais vilãs dessa lista, responsáveis por quase 80% dos casos, são justamente as jararacas, cobras do gênero Bothrops, presentes em todas as regiões brasileiras.

A equipe primeiro descobriu que o veneno das jararacas possui uma ação, baseada em dois aminoácidos que ocupam posições diferentes nas fosfolipases que agem de maneiras diferentes, mas com um resultado conjunto que acelera a formação e a expansão das feridas no caso das jararacas.

"Eram informações necessárias para buscar um composto capaz de completar a soroterapia", conta o pesquisador.

A equipe da Unesp está testando compostos ativos presentes em três espécies de plantas medicinais: o ácido aristolóquico (encontrado em uma planta da Mata Atlântica conhecida como jarrinha ou papo-de-peru), o ácido rosmarínico (da erva-baleeira, nativa da mesma mata) e o ácido cafeico (abundante nas folhas do boldo-baiano ou assa-peixe, de origem africana).

O próximo passo será buscar parcerias com instituições com competência na realização de testes com medicamentos, como o Instituto Butantan e a Fundação Oswaldo Cruz, para iniciar ensaios pré-clínicos que possam levar à fabricação de um emplastro ou uma pomada de aplicação local que ajude a curar as feridas e evite as amputações.


Ver mais notícias sobre os temas:

Plantas Medicinais

Medicamentos Naturais

Acidentes

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Dor de cabeça: Conheça aquelas que exigem tratamento

Vacina contra dengue pode fazer mais mal que bem em alguns locais

Os muitos mitos sobre as Dores nas Costas

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão

Carne vermelha todo dia faz mal? Especificamente que mal?