Ponto G não existe, dizem cientistas

Fruto da imaginação

Um estudo feito no King's College, de Londres, concluiu que o chamado ponto G - uma suposta zona erógena que, quando estimulada, provocaria elevados níveis de excitação sexual e orgasmos - pode não existir.

Depois de analisar 1.804 mulheres, o estudo não encontrou provas da existência do ponto G, supostamente um aglomerado de terminações nervosas localizado próximo ao clitóris, descrito pela primeira vez pelo cientista alemão Ernst Gräfenberg, em 1950.

Os cientistas acreditam que o ponto G pode ser fruto da imaginação de mulheres, estimulada por revistas e terapias sexuais.

Mito do Ponto G

A pesquisa foi feita com base nas repostas dadas por mulheres, com idades de 23 a 83 anos, a um questionário. Todas elas eram gêmeas idênticas ou não idênticas - as gêmeas idênticas têm, exatamente, a mesma configuração genética, enquanto as não idênticas têm 50% dos genes em comum.

Das 56% mulheres entrevistadas que declararam ter o ponto G, a maioria era mais jovem e sexualmente mais ativa do que a média. As gêmeas idênticas demonstraram maior tendência a ter uma resposta afirmativa do que as não-idênticas.

Mas os pesquisadores esperavam que, no caso de uma das mulheres relatar ter o ponto G, a probabilidade de sua irmã ter a mesma resposta seria mais alta, mas a tendência não foi observada, sugerindo que o Ponto G pode ser apenas um mito.

Mapa do Ponto G

Andrea Burri, que liderou a pesquisa, disse que o resultado pode ajudar mulheres e homens que sofrem por se sentir inadequados por não encontrar a procurada zona erógena.

"Chega a ser irresponsável afirmar a existência de uma entidade que nunca foi comprovada e pressionar mulheres - e homens também", disse ela.

"Esse é de longe o maior estudo já realizado sobre o assunto e mostra, de forma conclusiva, que a ideia do ponto G é subjetiva", afirma Tim Spector, professor de epidemiologia genética e coautor do estudo.

Especialistas

Mas o estudo foi considerado "falho" por outra autoridade no assunto, a sexóloga Beverley Whipple, que ajudou a popularizar o conceito do ponto G nos anos 70 graças a vários livros e a uma pesquisa tida como pioneira.

Para Whipple, "o maior problema com essas conclusões é que gêmeas, normalmente, não têm o mesmo parceiro sexual". O estudo britânico também não levou em consideração a opinião de lésbicas e bissexuais ao analisar os efeitos de diferentes técnicas sexuais.

Os resultados do estudo devem ser publicados nesta semana na revista especializada The Journal of Sexual Medicine.


Ver mais notícias sobre os temas:

Sexualidade

Saúde da Mulher

Saúde do Homem

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2017 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.