Por que apenas algumas pessoas desenvolvem dengue hemorrágica?

Por que apenas algumas pessoas desenvolvem dengue hemorrágica?
Embora já existam testes capazes de diagnosticar a dengue com 100% de certeza, ainda não existe nada que indique se o paciente terá a variante hemorrágica da doença.
[Imagem: Fraunhofer IZI]

Dengue seletiva

Para a maioria das pessoas que a contraem, a dengue é uma doença relativamente modesta na primeira vez.

Para outras, no entanto, dentre aquelas que têm a infelicidade de partir para uma segunda experiência, a infecção subsequente pelo vírus desencadeia uma doença potencialmente fatal.

Só agora as pesquisas começam a revelar indícios de por que algumas pessoas são vulneráveis a estas infecções secundárias perigosas, enquanto outras não são tão fortemente afetadas.

Cooptação

"Pacientes com dengue secundária grave têm níveis elevados de um tipo específico de anticorpo que desencadeia uma resposta imune forçada. Esta assinatura distintiva não aparece nos pacientes com doença mais leve," explica o Dr. Jeffrey Ravetch, da Universidade Rockefeller (EUA).

"Nosso trabalho lança novas luzes sobre a forma como o vírus da dengue coopta anticorpos produzidos como resultado da infecção anterior, usando-os para infligir mais danos na segunda vez," acrescentou Ravetch.

Esta descoberta, publicada nesta semana pela revista Science, pode ajudar a desenvolver estratégias melhores para identificar e tratar os pacientes que estão em maior risco da chamada dengue hemorrágica.

Proteína em forma de Y

Quando infecta a pessoa uma segunda vez, o vírus da dengue de alguma forma tira proveito dos anticorpos que o sistema imunológico ainda está produzindo como resultado da primeira infecção. Mas isso não explica por que menos de 15% das pessoas que contraem dengue pela segunda vez desenvolvem a febre hemorrágica.

Trabalhos anteriores da mesma equipe indicaram que a resposta poderia estar em diferenças nos anticorpos. Essas proteínas em forma de Y ajudam o corpo a se defender contra vírus e outros intrusos, "laçando" as células infectadas com seus braços. Enquanto isso, seus caules, conhecidos como regiões Fc, ligam-se às células imunes e lhes indica como reagir.

Agora, a pesquisadora Taia Wang, membro da equipe, descobriu que a estrutura da região Fc na verdade influencia como será a resposta imune, seja promovendo a inflamação, seja acalmando-a.

Por que apenas algumas pessoas desenvolvem dengue hemorrágica?
Outra descoberta importante sobre o vírus da dengue, feita recentemente, é que os subtipos do vírus não são categorias estanques como se pensava.
[Imagem: UTMB]

Redução das plaquetas

Os exames mostraram que os pacientes com dengue hemorrágica apresentam níveis elevados de anticorpos cujas regiões Fc não apresentam um açúcar específico, uma variação conhecida por ativar fortemente as células imunes, levando à destruição das células de coagulação sanguínea chamadas plaquetas.

Quando os níveis de plaquetas despencam, os pacientes sangram anormalmente - uma marca registrada da dengue hemorrágica. Quanto menor a contagem de plaquetas de um paciente, mais desses anticorpos específicos ele tende a ter.

"Como agora sabemos o que procurar, pode ser possível identificar pacientes em risco da doença grave, para que eles possam receber cuidados de suporte intensivo no início," disse o professor Ravetch.

"Isto também pode ajudar no desenvolvimento de vacinas seguras contra a dengue que estimulem o sistema imunológico sem desencadear uma resposta secundária potencialmente prejudicial, e de novos medicamentos projetados para ajudar os pacientes a se recuperar bloqueando a sinalização dos anticorpos," finalizou.


Ver mais notícias sobre os temas:

Vírus

Sistema Circulatório

Sistema Imunológico

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2017 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.