Postura negativa dos chefes ameaça saúde mental dos trabalhadores

Postura negativa dos chefes ameaça saúde mental dos trabalhadores
As medidas corretivas incluem comentários positivos do chefe após um trabalho bem feito, horários de trabalho mais flexíveis e mais dias de folga como recompensa por bom desempenho.
[Imagem: BBC]

O chefe como fator de risco

Um instituto de pesquisas da Grã-Bretanha emitiu uma série de recomendações aos empregadores do país a fim de proteger a saúde mental dos funcionários e, assim, diminuir o prejuízo causado por problemas como estresse e ansiedade no ambiente de trabalho.

De acordo com o Nice (National Institute for Health and Clinical Excellence), a postura negativa dos chefes representa o maior risco à saúde mental dos trabalhadores.

O Nice, entidade que avalia remédios e ajuda a definir as diretrizes da saúde na Grã-Bretanha, disse que doenças mentais associadas ao trabalho custam ao país o equivalente a mais de US$ 46 bilhões por ano.

Mais de 13 milhões de dias de trabalho são perdidos por ano na Grã-Bretanha por causa de estresse, ansiedade e depressão.

Feedback positivo e recompensas

Entretanto, o instituto disse que medidas simples poderiam reduzir em um terço o prejuízo.

As medidas incluem comentários positivos do chefe após um trabalho bem feito, horários de trabalho mais flexíveis e mais dias de folga como recompensa por bom desempenho.

O Nice recomendou também que os empregadores britânicos invistam em treinamento para gerentes e chefes e em aconselhamento para funcionários a fim de ajudá-los no desenvolvimento de suas carreiras.

Economia do bem-estar

Para convencer as empresas britânicas a agir, o Nice criou uma espécie de fórmula que mostra ao empregador quanto ele pode economizar se der mais apoio ao seu funcionário.

Segundo a fórmula, uma empresa com cerca de mil empregados economizaria mais de US$ 400 mil por ano.

O especialista em psicologia do trabalho Cary Cooper, da Universidade de Lancaster, no norte da Inglaterra, ajudou a redigir as recomendações do Nice.

"Você não pode superestimar a importância de se dizer 'muito bem!' a um funcionário, mas frequentemente isso não acontece", disse Cooper.

"O chefe diz quando você está fazendo algo errado, mas não quando você está acertando."

As consequências do estresse

Segundo uma pesquisa feita por outro instituto britânico, o Chartered Institute of Personnel and Development, um quarto dos trabalhadores descreveu sua saúde mental como moderada ou ruim, mas quase todos continuaram a trabalhar normalmente.

O relatório do Nice diz que o ambiente certo no local de trabalho não só pode reduzir custos como trazer resultados positivos, oferecendo estabilidade, amizade, distração e sentido à vida do trabalhador.

Um porta-voz da Confederação das Indústrias Britânicas disse: "A saúde mental dos funcionários é algo que as empresas vêm priorizando".

"Mais e mais iniciativas estão sendo adotadas para dar suporte ao trabalhador nos últimos anos".


Ver mais notícias sobre os temas:

Trabalho e Emprego

Ética

Emoções

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2017 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.