Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

11/06/2012

Preocupações fazem cérebro de mulheres trabalhar mais

Redação do Diário da Saúde
Preocupações fazem cérebro de mulheres trabalhar mais
Enquanto participavam dos testes, o cérebro dos participantes - 79 mulheres e 70 homens - era monitorado em tempo real. [Imagem: G.L. Kohuth/MSU]

Cérebros ansiosos

Os cérebros das mulheres ansiosas e preocupadas trabalham muito mais intensamente do que os cérebros de homens ansiosos e preocupados.

Os pesquisadores afirmam que isso pode ajudar a explicar o surgimento de desordens de ansiedade em mulheres jovens, que incluem o transtorno obsessivo compulsivo ou a ansiedade generalizada.

"É mais uma peça no quebra-cabeças que é a busca de descobrir por que as mulheres em geral têm mais desordens de ansiedade," disse o Dr. Jason Moser, da Universidade do Estado de Michigan (EUA).

Preocupação atrapalha

Enquanto participavam dos testes, o cérebro dos participantes - 79 mulheres e 70 homens - era monitorado em tempo real.

O cérebro das mulheres que se auto-intitularam previamente como "ansiosas" ou "muito preocupadas" apresentou uma atividade muito mais elevada quando elas cometiam erros na tarefa.

O efeito não foi verificado nas demais mulheres e nem nos homens.

Embora as mulheres preocupadas tenham apresentado um rendimento nas tarefas similares aos homens preocupados, seu rendimento piorou de acordo com a dificuldade da tarefa.

E seus cérebros apresentaram uma atividade muito mais elevada, sugerindo que a preocupação atrapalhou o desempenho das tarefas.

Estrogênio e dopamina

"O cérebro das garotas ansiosas teve que trabalhar mais duro para fazer as tarefas porque elas tinham sua atenção dividida entre pensamentos e preocupações," disse Moser.

"Por causa disso, seus cérebros se esgotaram por pensar tanto, o que pode indicar que elas terão problemas na escola. Nós já sabemos que crianças ansiosas - especialmente meninas ansiosas - têm mais dificuldades em algumas matérias, como a matemática," disse o pesquisador.

Agora a equipe planeja estudar se o estrogênio, um hormônio preponderante nas mulheres, pode ser o responsável pela maior resposta cerebral feminina.

O estrogênio afeta a liberação da dopamina, um neurotransmissor geralmente associado com o aprendizado e o processamento de erros na parte frontal do cérebro.


Ver mais notícias sobre os temas:

Cérebro

Neurociências

Saúde da Mulher

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Ultrassom no 1º trimestre de gravidez pode agravar autismo

Os muitos mitos sobre as Dores nas Costas

Carne e barbatana de tubarão contêm altos níveis de neurotoxinas

Dor de cabeça: Conheça aquelas que exigem tratamento

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão