Profissionais da beleza sofrem com problemas de coluna

Beleza dolorida

Pelo menos 59% dos profissionais da área de beleza sofrem com dores na coluna, 47% nos membros superiores e 27% nos membros inferiores.

A conclusão é de um estudo realizado com 30 cabeleireiros e manicures (18 mulheres e 12 homens) no Instituto de Ortopedia e Traumatologia (IOT) do Hospital das Clínicas (HC) da Faculdade de Medicina da USP (FMUSP).

As dores nas costas e de membros superiores não apresentaram relação com o peso e índice de massa corporal (IMC) - peso dividido pela altura ao quadrado - mas estão relacionadas ao sedentarismo.

Os profissionais que praticam alguma atividade física sentem menos dor, em comparação aos que não fazem exercício.

O IMC médio foi de cerca de 20, e o máximo chegou a 34. Na tabela do IMC, o peso normal fica entre 18,5 e 24,99. Se o índice ficar entre 25 e 29,99, revela pessoas acima do peso; e acima de 30, obesidade.

Condicionamento físico

A maioria dos profissionais que praticavam atividade física fazia caminhadas. A musculação e a prática regular de academia foi relatada pela minoria deles.

"A prática da atividade física confere um melhor condicionamento físico. Como esses profissionais utilizam o corpo durante suas atividades profissionais, aqueles com um condicionamento físico melhor têm menos queixa de dor", explica a professora Júlia Greve, coordenadora do trabalho. O estudo também contou com a participação do fisioterapeuta Leonardo Barreti.

O objetivo da pesquisa foi investigar se havia algum problema neste grupo de profissionais.

Os testes foram realizados no Laboratório de Estudos do Movimento do Departamento de Ortopedia e Traumatologia da FMUSP. A avaliação consistiu em um interrogatório e uma avaliação clínica.

Os profissionais de beleza realizaram testes por meio de equipamentos que avaliaram a força muscular e a capacidade de exercer movimentos. A idade média dos participantes foi de 37 anos.

Problemas de postura

Horas de pé não sobrecarregam tanto as pernas quanto escovar os cabelos da clientela. Há uma maior incidência de dores na coluna e nos braços do que nos membros inferiores, e são as mulheres as que mais se queixam, "talvez por serem maioria na profissão", diz a professora.

O número de horas trabalhadas na semana também influencia nas dores musculoesqueléticas sentidas por cabeleireiros e manicures. Os que trabalham mais que 50 horas semanais sofrem mais dores. A lombar e os ombros também sentem o peso dos anos de profissão, os profissionais que estão no mercado a mais de quatro anos se queixam mais que os iniciantes.

"A pesquisa feita com profissionais da área aponta para a ergonomia da atividade [tempo de trabalho e movimentos utilizados e repetitivos] como um fator importante na origem das dores músculo-esqueléticas referidas [coluna e membros superiores] e também a falta de um programa de exercícios adequados às necessidades específicas da profissão visto que, ainda que a atividade física diminua a queixa de dor, não previne completamente", conclui Júlia.


Ver mais notícias sobre os temas:

Trabalho e Emprego

Atividades Físicas

Cuidados com a Pele

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.