Atendimento de emergência a pacientes com infarto ganha modelo de gestão

Projeto implementa modelo de gestão para atendimento a pacientes com infarto

[Imagem: Faperj]

Internação em caso de infarto

As doenças cardiovasculares são a principal causa de mortalidade proporcional no país, tendo sido responsáveis por cerca de 30% do total de óbitos no estado do Rio de Janeiro em 2002. Pensando em desenvolver um programa de melhoria da qualidade no atendimento de casos de infarto agudo do miocárdio pelo Sistema Único de Saúde (SUS), o projeto Gestão do cuidado ao paciente com infarto agudo do miocárdio em emergências hospitalares do Rio de Janeiro, que recebeu apoio da FAPERJ por meio do edital Prioridade Rio, desenvolve um estudo de governança voltado para a implementação de diretrizes clínicas e para o monitoramento de indicadores dos processos e resultados.

"Por enquanto, são quatro hospitais contemplados: Lourenço Jorge, Souza Aguiar, Salgado Filho, da rede municipal do Rio, e Hospital Geral de Bonsucesso, da rede federal. A Secretaria Municipal de Saúde já sinalizou positivamente para a participação do Miguel Couto", diz a coordenadora do projeto, Margareth Portela, da Escola Nacional de Saúde Pública da Fundação Oswaldo Cruz (Ensp/Fiocruz). Ela destaca que o projeto mobiliza equipes multidisciplinares, para padronizar as boas práticas médicas no atendimento a pacientes com infarto agudo do miocárdio nas emergências desses hospitais. "Cada hospital receberá ampla capacitação de uma média de 500 profissionais de várias áreas, desde médicos e enfermeiros, passando por técnicos de enfermagem, até vigilantes, recepcionistas e maqueiros. Todos serão sensibilizados no sentido de facilitar um diagnóstico mais rápido e a intervenção médica em casos de infarto agudo do miocárdio."

Tempo é fator chave para salvar paciente de infarto

A participação de todos os profissionais - especialmente daqueles que não são da área de saúde, mas têm grande importância no processo devido ao primeiro contato mantido com os pacientes nas salas de espera das emergências - é um diferencial para agilizar a assistência médica. Segundo o cardiologista Alfredo Brasil, um dos pesquisadores envolvidos no projeto, o tempo é um fator chave para salvar pessoas com infarto agudo do miocárdio. "O quadro pressupõe a existência de uma artéria obstruída no coração e é necessário agir com rapidez para tentar restabelecer o fluxo sanguíneo nessa artéria. As estratégias terapêuticas incluem medicamentos e/ou procedimentos para desobstruí-la, o que deve ser feito no menor espaço de tempo possível. Quanto mais rápido o paciente for atendido, maior a possibilidade de preservar o músculo cardíaco, reduzindo a extensão da necrose", explica.

O projeto propõe preencher uma lacuna no atendimento do SUS a esses pacientes. "Superlotação é um problema recorrente nas emergências públicas e acaba resultando num longo tempo de espera, com evidentes prejuízos para esses pacientes. A implementação de estratégias para identificar rapidamente os que apresentam infarto e dispensar-lhes o tratamento correto contribui para melhorar a qualidade da atenção, reduzindo o risco de morte, tendo em vista que a maioria dos óbitos nesses casos ocorre na primeira hora", alerta Brasil. E prossegue: "O paciente ideal é aquele que recebe tratamento trombolítico até seis horas depois do início do infarto, com benefício máximo na primeira hora."

Sensibilização dos profissionais

Para difundir os procedimentos assistenciais a serem adotados no Programa de Reconhecimento de Atenção ao Infarto Agudo (Praia), uma das metas é a distribuição de material explicativo às equipes. "Elaboramos um material de sensibilização a todos os profissionais, que inclui livretos contendo as diretrizes clínicas, bótons, fôlderes com fluxogramas e cartazes para a identificação dos sinais de um infarto agudo do miocárdio. Tudo customizado para valorizar as lideranças locais das emergências escolhidas, que serão co-responsáveis pelo processo de capacitação dos demais profissionais naquela emergência", diz Margareth Portela. "Além disso, cada hospital recebeu da Fundação um computador e um projetor multimídia para capacitação e armazenamento dos dados retrospectivos de antes da implementação do projeto, que serão comparados com os dados de seis meses depois, para medir a eficácia das estratégias", completa.

O projeto surgiu a partir da experiência pioneira da equipe de pesquisadores no Hospital Geral de Bonsucesso, em 2006. "Houve uma melhora significativa no atendimento aos pacientes infartados em Bonsucesso. Entre os resultados positivos alcançados com a implementação do projeto na emergência do hospital, estão o aumento de 188% na reperfusão coronária (restabelecimento do fluxo sanguíneo na artéria); a redução do tempo entre o infarto e o início da reperfusão coronária para 112 minutos; e o aumento de 28,6% para 82,4% do número de pacientes tratados com trombolíticos", avalia Brasil.

Modelo de gestão da clínica

De acordo com Margareth, uma das referências conceituais do trabalho é o modelo inglês de gestão da clínica. "A governança clínica consolidou-se no sistema nacional de saúde na Inglaterra no fim dos anos 1990, mas, em essência, é uma proposta presente em vários países que têm como objetivo a melhoria contínua da qualidade no atendimento em saúde", diz a pesquisadora, lembrando que a gestão do atendimento ao infarto agudo do miocárdio passa por procedimentos médicos já conhecidos. "O objetivo é conduzir, no nível organizacional, as diretrizes clínicas voltadas para a melhoria da qualidade assistencial, baseadas em evidências científicas. Existem poucas divergências em relação ao melhor cuidado que deve ser oferecido ao paciente que acaba de sofrer um infarto", completa.

Além de possibilitar um atendimento mais efetivo, a governança clínica permite a otimização dos recursos para a saúde. Para se ter uma idéia do impacto causado pelas doenças isquêmicas do coração para os cofres públicos fluminenses, o SUS gastou com internações desse tipo, apenas no estado do Rio de Janeiro, entre 1999 e 2003, um valor equivalente a 4,6% do seu gasto anual médio de US$ 191 milhões para internações de todas as causas, em contraponto ao equivalente nacional de 3,3%. "Trabalhamos com a realidade dos hospitais, utilizando as tecnologias já disponíveis no SUS para atender pacientes com infarto agudo do miocárdio da melhor forma", conclui Margareth, que não descarta a futura expansão do projeto para outras unidades hospitalares do SUS.


Ver mais notícias sobre os temas:

Atendimento Médico-Hospitalar

Gestão em Saúde

Coração

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.