Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

23/01/2013

Tecnologia pode tirar do leite proteína que causa alergia

Com informações do Jornal da Unicamp

Alergia ao leite bovino

A pesquisadora Mariana Bataglin Villas Boas, da Unicamp, conseguiu modificar uma proteína do leite bovino que é capaz de causar alergia principalmente em crianças.

Isso cria uma alternativa à formulação de ingredientes na alimentação que sejam menos nocivos às pessoas suscetíveis a esta reação imunológica.

Mariana debruçou-se sobre a proteína chamada beta-lactoglobulina, existente no leite de mamíferos, exceto no de humanos.

Essa proteína pode desencadear desde um simples processo alérgico, como coceira, até sintomas mais graves, atingindo o trato gastrointestinal e provocando diarreia, irritação e fezes sanguinolentas.

Proteína, mas sem alergia

A pesquisa envolveu a modificação estrutural da proteína usando dois processos - polimerização por transglutaminase e hidrólise por proteases - que diminuem a resposta do sistema imunológico.

Isso implicou em alterar a proteína em diferentes pontos de sua estrutura, avaliando se ainda ela permanecia com seu componente alérgico após cada modificação.

"Não queríamos que ela ficasse como uma fórmula hidrolisada e sim que conservasse algumas das suas características. Mas reconhecemos que, a partir do momento em que acontecem alterações, ela já não pode ser mais reconhecida como algo alergênico," diz a pesquisadora.

O leite bovino, segundo ela, "puxa" a lista dos alimentos potencialmente alergênicos.

Alergia e intolerância ao leite

A alergia ao leite bovino não é o mesmo que intolerância ao alimento, que envolve um processo voltado à incapacidade de digestão da lactose, e não uma reação alérgica.

Os produtos disponíveis no mercado com fórmulas destinadas às crianças com problemas de alergia à proteína do leite ainda apresentam uma "alergenicidade residual", decorrente do fato de a hidrólise isoladamente ter uma ação limitada - daí o uso da segunda técnica (polimerização), de forma a obter um resultado completo.

A proteína estudada por Mariana não é encontrada no leite materno. Este é um ponto crucial a ser esclarecido, sinaliza ela, já que o leite materno é mais indispensável ainda nos primeiros meses de vida, e o recém-nascido pode não aceitar uma proteína vinda do leite bovino, comumente usado como substituto.


Ver mais notícias sobre os temas:

Alergias

Amamentação

Alimentação e Nutrição

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Dor de cabeça: Conheça aquelas que exigem tratamento

Vacina contra dengue pode fazer mais mal que bem em alguns locais

Os muitos mitos sobre as Dores nas Costas

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão

Carne vermelha todo dia faz mal? Especificamente que mal?