Proteína na saliva de carrapato poderá combater o câncer

Proteína na saliva de carrapato destrói células do câncer
Além da febre maculosa, o carrapato-estrela pode causar uma reação alérgica à ingestão de carne vermelha, com risco de vida para o paciente.
[Imagem: Wikipedia/CDC/Christopher Paddock/James Gathany]

Carrapato-estrela

Uma proteína encontrada na saliva do carrapato-estrela (Amblyomma cajennense) pode reduzir tumores cancerígenos.

A conclusão é de cientistas do Instituto Butantan, em São Paulo.

O estudo incluiu avaliações em laboratório de células dos cânceres de pâncreas, renal e melanoma.

Anticoagulante

Segundo Ana Maria Tavassi, coordenadora do estudo, o objetivo original da pesquisa era estudar a capacidade anticoagulante na saliva do animal, o que permite que ele sugue o sangue da vítima.

O carrapato-estrela é transmissor da febre maculosa.

Contudo, análises posteriores mostraram que a proteína também age diretamente nas células.

"Fizemos estudos em células normais e tumorais. A proteína não exercia ação em células normais, mas tinha uma atividade capaz de matar as células tumorais", explicou ela.

A seguir, a equipe realizou testes em animais de laboratório, quando se repetiram os resultados positivos.

Testes pré-clínicos

Agora, eles passarão aos chamados testes pré-clínicos, que visam garantir que a proteína não possua alguma toxicidade para o ser humano.

Só depois poderão ser iniciados os testes clínicos, em humanos.

"Quando você anuncia uma molécula com essa natureza, as pessoas que estão precisando ficam com uma expectativa muito grande, mas é preciso entender que, obrigatoriamente, ela tem que passar por todas essas fases de teste", ressaltou a pesquisadora.


Ver mais notícias sobre os temas:

Desenvolvimento de Medicamentos

Câncer

Medicamentos Naturais

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.