Proteínas presentes no câncer de mama podem levar a novos tratamentos

Proteínas presentes no câncer de mama podem levar a novos tratamentos
A pesquisa brasileira identificou proteínas que servem como indicadores que poderão melhorar a eficiência da quimioterapia e, assim, a resposta ao tratamento.
[Imagem: Ag.USP]

Expressão de proteínas

Novas perspectivas para se conhecer a evolução do câncer de mama e novos caminhos que poderão melhorar a eficiência da quimioterapia e, assim, a resposta ao tratamento.

Estes são os resultados de uma pesquisa realizada na Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP), da USP.

Os estudos investigaram a expressão, ou seja, a presença de duas proteínas, a HIF-1-alfa (fator induzível por hipóxia-1-alfa) e a VEGF-C (fator de crescimento endotelial vascular), em mulheres com câncer de mama localmente avançado.

Segundo os pesquisadores Luiz Gustavo Brito e Viviane Schiavon, ao analisarem a presença do HIF-1-alfa e do VEGF-C nessas mulheres, verificou-se que o primeiro teve prevalência de 66% e o segundo de 63%.

Enquanto o HIF-1-alfa esteve mais intenso, ou seja, apareceu mais em mulheres com axila comprometida pelo câncer, o VEGF esteve mais presente naquelas que fizeram quimioterapia e cuja resposta foi boa.

"Isso quer dizer que, quanto mais agressivo era o câncer, mas presente o HIF-1-alfa estava, enquanto o VEGF está relacionado à resposta ao tratamento nessas mulheres", explica Brito.

Caminhos para o tratamento

Para os pesquisadores, futuramente o HIF-1-alfa poderá ser usado como indicador que dirá qual vai ser o prognóstico da mulher com câncer de mama, ou seja, como será a sua evolução.

Já o VEGF-C terá um papel importante nas mulheres que farão quimioterapia.

"A quimioterapia funcionou melhor nas pacientes cujo tumor expressou o VEGF, o que sugere que o tumor, ao aumentar a produção de vasos por esta proteína, aumenta a chegada da droga até o leito, matando essas células", diz Viviane.

Os pesquisadores trabalharam somente com mulheres com câncer localmente avançado e metastático.

"Ao contrário dos países desenvolvidos, onde as mulheres descobrem o câncer precocemente, no Brasil, por exemplo, devido ao retardo no diagnóstico, os tratamentos são feitos em estágios mais avançados da doença, às vezes sem cura. Todas as mulheres pesquisadas já haviam se submetido à quimioterapia e à cirurgia," explica a pesquisadora.

Tratamento individualizado

A HIF-1-alfa é uma proteína descoberta recentemente e ainda pouco conhecida da ciência.

Brito diz que pesquisas já têm mostrado que futuramente ela será utilizada para saber qual o perfil do câncer de mama da paciente, se é agressivo o não. "Aí é que entra nossa contribuição. Cada vez mais o tratamento do câncer de mama é individualizado, baseado no comportamento tumoral específico daquela paciente".

Já Viviane, responsável pela investigação do VEGF-C, adianta que essa proteína já é estudada há mais de 50 anos.

"Mas estudos com grupo de mulheres com câncer de mama localmente avançado são poucos e menos ainda aqueles que mostram o seu comportamento, mas ela só deverá ser utilizada como marcador futuramente para predizer uma boa resposta à quimioterapia, assim como pelo uso de drogas que bloqueiem sua ação", resume.

Câncer de Mama no Brasil

Segundo dados do Instituto Nacional do Câncer (INCA) para 2010 eram esperados 49.240 novos casos de câncer de mama, ou seja, um risco estimado de 49 casos a cada 100 mil mulheres.

Ainda, de acordo com o INCA, na Região Sudeste, o câncer de mama é o mais incidente entre as mulheres, com um risco estimado de 65 casos novos por 100 mil.

Sem considerar os tumores de pele não melanoma, este tipo de câncer também é o mais frequente nas mulheres das regiões Sul (64/100.000), Centro-Oeste (38/100.000) e Nordeste (30/100.000). Na Região Norte é o segundo tumor mais incidente (17/100.000).

Entretanto os pesquisadores alertam que a chance de cura para o câncer de mama pode chegar a mais de 95% se descoberta em estágios iniciais.

O Instituto Nacional do Câncer recomenda que as mulheres a partir dos 50 anos de idade façam mamografia uma vez a cada dois anos.

Embora seja reconhecido que a sobrevida com câncer de mama depende do diagnóstico precoce, especialistas questionam exageros na recomendação da mamografia:


Ver mais notícias sobre os temas:

Quimioterapia

Câncer

Saúde da Mulher

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.