Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

04/09/2009

Quando a fertilização in vitro não dá certo...

Raquel do Carmo Santos
Quando a fertilização in vitro não dá certo...
Muito se fala dos casos de sucesso da reprodução assistida. O que pouco se fala é que este é um processo muitas vezes difícil e desgastante, e que nem sempre tem um final feliz. [Imagem: Unicamp]

Difícil e desgastante

Muito se fala dos casos de sucesso da fertilização in vitro, técnica popularmente conhecida como "bebê de proveta", cuja fecundação do óvulo pelo espermatozóide ocorre fora do corpo da mulher, em laboratório especializado.

O que pouco se fala é que este é um processo muitas vezes difícil e desgastante, ao final do qual o casal exibe o bebê como um marco de vitória.

Infelizmente não é sempre assim e a história não tem um final feliz todas as vezes. Muitos não alcançam o sucesso desejado.

Busca por um filho biológico

"Frente ao diagnóstico de infertilidade, muitos casais procuram a técnica na busca por um filho biológico. Este tratamento apresenta aspectos difíceis como, por exemplo, injeções de hormônios, a anestesia, obtenção das amostras de espermatozóides e a ansiedade durante cada etapa do tratamento", destaca a psicóloga Juliana Nicolau Filetto, que investigou o universo dos casais que passam pelo processo.

As exigências do tratamento, segundo Juliana, provocam nos casais um considerável desgaste físico e psíquico, envolvendo vivências de angústia, esperança, frustração, preocupações com as questões econômicas, pressões familiares e sociais, entre outras.

Expectativas irreais

O que surpreendeu a psicóloga foi que mesmo os procedimentos de fertilização não oferecendo garantia de gravidez, muitos casais iniciam os procedimentos com alta expectativa em relação à gestação. "É como se, ao iniciar o processo, já se ter a garantia da gravidez", explica.

Juliana entrevistou 92 casais que não tiveram sucesso na fertilização, no período de 1995 a 2000, no Ambulatório de Reprodução Humana do Hospital da Mulher-Caism, em Campinas (SP).

Na sequência da pesquisa, realizada neste ano, ela selecionou nove casais e fez uma nova análise do material colhido, aprofundando o assunto. Seu objetivo foi basicamente descrever as vivências de homens e mulheres no início dos procedimentos de reprodução assistida e a longo prazo, após o fracasso da terapêutica.

Desejo de uma família maior

A pesquisadora constatou que, dos nove casais, apenas dois adotaram filhos como uma forma de reorganizar os projetos de vida.

Um deles não tinha filhos, mas no caso do outro, a parceira já possui um filho do relacionamento anterior e desejava que seu parceiro exercesse a paternidade.

Um dado curioso da pesquisa foi observar que dois casais, mesmo já tendo filhos biológicos, tinham o desejo de constituir uma família maior.

Orientação aos casais

No estudo, os casais sem filhos decidiram realizar novas tentativas de fertilização in vitro em clínicas particulares. "Eles acreditavam que, pagando pelo tratamento, teriam a garantia da gravidez. Já os demais casais se dedicaram a outros projetos de vida que não fosse o de conceberem um filho biológico", esclarece. A psicóloga observa que várias foram as formas encontradas por esses casais para se reorganizarem.

Os resultados da pesquisa, segundo Juliana, podem contribuir para um maior conhecimento de vários aspectos para os casais que decidirem pela fertilização in vitro, pois relata as vivências em cada etapa da terapêutica.

Aos profissionais de saúde, Juliana acredita que permitirá oferecer um serviço de orientação aos casais antes, durante e após o tratamento. "Creio que reduziria a expectativa, ansiedade e sintomas depressivos, procurando favorecer um bom funcionamento psicossocial após a não-gravidez", explica a psicóloga.


Ver mais notícias sobre os temas:

Reprodução Assistida

Gravidez

Relacionamentos

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Seis causas mais comuns da dor de cabeça infantil

Especial "Não, Doutor": Não deixe que seu médico faça... - Parte VII

Competição destrói criatividade feminina

Melhor forma de escovar os dentes? Dentistas não se entendem

Cérebro pode ser condicionado para reduzir a dor