Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

13/06/2016

Radicais livres nem sempre estão associados ao envelhecimento

Redação do Diário da Saúde
Radicais livres nem sempre estão associados ao envelhecimento
Recentemente se descobriu que os radicais livres são benéficos para a cura de ferimentos. O Dr. James Watson, ganhador do Prêmio Nobel pela descoberta do DNA, já defende há tempos que os radicais livres não são responsáveis pelo envelhecimento.[Imagem: Wikipedia]

Oxigênio e envelhecimento

A compreensão do processo de envelhecimento em seres humanos acaba de receber um impulso de um estudo que esclarece o impacto da exposição ao oxigênio sobre o processo de envelhecimento das células.

Os resultados da pesquisa poderão abrir o caminho para novos tratamentos contra doenças associadas ao envelhecimento, afirmam pesquisadores das universidades de Surrey (Reino Unido) e Rochester (EUA) em um artigo publicado na revista Aging.

Apesar da crença largamente difundida pela comunidade científica e pela imprensa de que a sensibilidade ao estresse oxidativo - o conhecido papel dos radicais livres livres - está associado a um menor tempo de vida, o novo estudo é mais um em uma longa série de trabalhos que mostram que isto não ocorre na maior parte dos casos.

A equipe descobriu que a sensibilidade ao estresse oxidativo não é necessariamente associada com a longevidade.

Elixir da vida que não funciona

Para investigar se havia alguma correlação entre o processo de envelhecimento biológico e a sensibilidade ao oxigênio, a equipe comparou a taxa de crescimento de células do pulmão e da pele de tecidos conjuntivos de 16 espécies de roedores, cuja vida média varia de 4 a 32 anos, e que normalmente são usados em pesquisas.

O camundongo de laboratório foi a única espécie que demonstrou uma forte sensibilidade ao oxigênio. Curiosamente, as células dos mesmos camundongos selvagens, juntamente com rato-toupeira-pelado, hamsters, rato almiscarado, marmota, capivara, paca, esquilo e castor mostraram-se apenas levemente sensíveis ao oxigênio. Já as células de rato, rato-do-deserto, rato-veado, cobaia e chinchila não foram afetadas pela concentração de oxigênio.

Radicais livres nem sempre estão associados ao envelhecimento
Os radicais livres são cruciais no controle do apetite, sendo também benéficos para cura de ferimentos. [Imagem: Tamas Horvath]

"Nossos resultados abrem muitas áreas de exploração no campo do envelhecimento e da medicina regenerativa. Com estes novos insights será muito interessante saber se grandes mamíferos não roedores de interesse veterinário, incluindo gatos, cães e cavalos teriam a mesma reação ao oxigênio que a encontrada em roedores. Hoje em dia, embora as pessoas considerem os antioxidantes como o chamado 'elixir da vida', nossos resultados lançam dúvidas sobre essa afirmação, pelo menos para alguns roedores, com os camundongos de laboratório sendo uma exceção," disse o professor Augusto Coppi, coordenador do estudo.

Melhores modelos

Assim, ainda que os camundongos sejam muito populares entre os cientistas, este estudo demonstra que eles não são um modelo adequado para pesquisas sobre o envelhecimento.

Veja outros estudos que questionam o papel dos antioxidantes e dos radicais livres:


Ver mais notícias sobre os temas:

Alimentação e Nutrição

Terceira Idade

Cuidados com a Pele

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

O que é melhor: Meditação ou Férias?

Os muitos mitos sobre as Dores nas Costas

Carne e barbatana de tubarão contêm altos níveis de neurotoxinas

Dor de cabeça: Conheça aquelas que exigem tratamento

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão