Brasil quer auto-suficiência em radioisótopos e radiofármacos

Medicina nuclear

O Brasil está a caminho de se tornar auto-suficiente na produção de radioisótopos e radiofármacos, substâncias essenciais na Medicina Nuclear.

A Medicina Nuclear é a especialidade médica que hoje possibilita as maiores chances de diagnóstico preciso e tratamento de doenças relevantes, como o câncer.

Ela também possui importantes aplicações em problemas cardíacos, avaliação das atividades cerebrais, entre outras.

O Reator Multipropósito Brasileiro (RMB), empreendimento a cargo da Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN), deverá entrar em funcionamento em 2017, no município de Iperó, no interior de São Paulo.

Trata-se de um reator nuclear de pesquisa e produção de radioisótopos, a base para os radiofármacos e também para produção de fontes radioativas usadas pelo Brasil em larga escala nas áreas industrial e de pesquisas.

Reatores de pesquisa

O Brasil possui atualmente quatro reatores de pesquisa em funcionamento.

A produção de radioisótopos ocorre principalmente no reator IEA-R1, instalado na unidade da CNEN em São Paulo, o Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares (Ipen).

Esse reator, porém, não atende a demanda brasileira dos radioisótopos utilizados na produção de radiofármacos, que em 2011 propiciaram a realização de cerca de 1,5 milhão de procedimentos de medicina nuclear.

A maior parte dos radioisótopos com origem em reatores nucleares é importada.

Em 2009, com a paralisação de um reator canadense que é o principal fornecedor do Brasil, juntamente com a interrupção de funcionamento de reatores na Bélgica e na Holanda, houve uma crise mundial no fornecimento.

O Brasil buscou alternativas de importação na Argentina e África do Sul, mas a área de Medicina Nuclear nacional precisou adaptar-se a uma situação de crise no abastecimento.

O reator do Canadá voltou a funcionar e a crise de 2009 foi contornada.

Reator Multipropósito Brasileiro

A situação, porém, criou a expectativa de se garantir ao Brasil independência na produção dos radioisótopos utilizados.

O RMB (Reator Multipropósito Brasileiro) tornará isso possível.

Além de já ter local definido, um terreno de 1,2 milhão de metros quadrados cedido à CNEN pelo Centro Tecnológico da Marinha em São Paulo (CTMSP), o empreendimento foi incluído no Plano Plurianual do Governo Federal (PPA- 2012-2015), com uma previsão orçamentária da ordem de R$ 400 milhões para o período.

O custo total estimado do RMB é de R$ 850 milhões.

Além da produção de radioisótopos, o RMB também tem como funções básicas a realização de testes de irradiação de combustíveis nucleares e materiais estruturais utilizados em reatores de potência, bem como a realização de pesquisas científicas com feixes de nêutrons em várias áreas do conhecimento, atuando de forma complementar ao Laboratório Nacional de Luz Síncrotron (LNLS).


Ver mais notícias sobre os temas:

Saúde Pública

Quimioterapia

Medicamentos

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.