Ressaca de fim de ano pode e deve ser evitada

Ressaca

A ressaca pode e deve ser evitada, uma vez que o mal-estar generalizado gerado pelo abuso do álcool costuma causar problemas como enjoo, dor de cabeça, cansaço, diarreia e sensibilidade à luz.

Para aqueles que costumam apresentar os sintomas típicos da "ressaca" - a indisposição de quem bebeu, depois de passar a bebedeira - especialistas em saúde do fígado explicam alguns cuidados que devem ser observados, principalmente antes de ingerir a primeira dose de álcool.

Segundo o hepatologista Carlos Baía, do Hospital de Transplantes do Estado de São Paulo, antes de consumir bebida alcoólica é importante preparar o estômago e fígado, alimentando-se, sobretudo de alimentos ricos em gordura.

É importante, também, beber bastante água para manter a hidratação, evitando a perda de líquido no organismo.

Esses cuidados evitam também a agressão direta do álcool sobre a mucosa do estômago e esôfago, fazendo com que a sensação de queimação e náusea seja menos intensa, devido à irritação causada pela bebida alcoólica.

No dia seguinte, para melhorar o metabolismo do fígado, é importante descansar, alimentar-se de coisas leves como verduras e legumes cozidos, diminuindo frituras, doces e alimentos gordurosos. Também é fundamental reforçar a hidratação com água, chás e bebidas isotônicas.

Receita infalível contra ressaca

Felizmente, há uma receita definitiva e infalível contra a ressaca: não beber demais: "O ideal é não abusar da bebida alcoólica. A intensidade da ressaca está relacionada à quantidade de álcool ingerida, não importando se a bebida é fermentada ou destilada", diz o Dr. Carlos.

Segundo a OMS (Organização Mundial de Saúde), a quantidade máxima diária recomendável de ingestão de bebidas alcoólicas é de duas doses para homens e uma para mulheres.


Ver mais notícias sobre os temas:

Drogas Lícitas

Vícios

Plantas Medicinais

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.