Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

10/02/2015

Novas recomendações para grávidas viajarem de avião

Com informações da BBC

Voar durante a gravidez

Autoridades do Reino Unido lançaram um documento com novas instruções para mulheres grávidas viajarem de avião.

A Faculdade Real de Obstetras e Ginecologistas, autora das novas recomendações, afirma que viajar de avião não é prejudicial durante a gravidez de baixo risco, mas pode haver efeitos colaterais.

O período mais seguro para voar durante a gravidez é antes das 37 semanas ou, se grávida de gêmeos, antes das 32 semanas, diz o documento.

Contudo, se estiver com 28 ou mais semanas de gravidez, a mulher deve levar consigo suas anotações médicas e uma carta de autorização ou recomendação de seu médico para orientar profissionais de saúde que precisem atendê-la no caso de alguma eventualidade.

Muitas companhias aéreas têm as suas próprias regras sobre quando as mulheres grávidas podem voar.

Anteriormente, o conselho para mulheres com gestações múltiplas era viajar antes das 34 semanas - recomendação agora alterada para 32 semanas, em conformidade com o determinado pela International Air Transport Association (IATA). Após 37 semanas, a mulher pode entrar em trabalho a qualquer momento.

Recomendações para grávidas no avião

Embora qualquer pessoa que viaje de avião esteja exposta a um ligeiro aumento na radiação que recebe - os aviões atingem altitudes por volta dos 10 km - não há evidências de que viajar de avião cause aborto espontâneo, parto prematuro ou vazamento da bolsa.

As alterações na pressão do ar pela pressurização do avião e a redução da umidade típica do ambiente das aeronaves também não parecem ter efeitos prejudiciais sobre a gravidez.

Por isso, se a gravidez for simples, voar não é prejudicial para a mulher ou o bebê, diz o texto.

O documento recomenda que as mulheres grávidas usem roupas folgadas e calçados confortáveis, façam caminhadas regulares dentro do avião e façam exercícios na própria poltrona a cada 30 minutos.

Reduzir o consumo de bebidas que contenham álcool ou cafeína e usar meias elásticas de compressão também pode ajudar.

Efeitos colaterais de voar grávida

O documento alerta também sobre os possíveis efeitos colaterais de voar durante a gravidez.

Esses possíveis efeitos incluem inchaço das pernas, devido a um acúmulo de fluidos, problemas no nariz e nos ouvidos causados pela mudança na pressão do ar e enjoo, tornando as náuseas comuns na gravidez um pouco piores.

Voos de longa duração - quatro horas ou mais - podem aumentar o risco de desenvolver trombose venosa profunda (TVP), quando se forma um coágulo de sangue na perna ou na pélvis, e a gravidez aumenta esse risco ainda mais.

Quando não voar grávida

Em algumas circunstâncias, no entanto, os especialistas afirmam que é melhor tomar a decisão de não viajar de avião durante a gravidez.

Essas circunstâncias incluem: anemia grave, doença falciforme, se a mulher tem um risco maior de entrar em trabalho de parto antes da data prevista, se teve sangramento vaginal significativo recentemente ou tem problemas sérios de coração ou pulmão.

Na dúvida, ou para viajar mais tranquila, consulte seu médico antes de comprar as passagens.


Ver mais notícias sobre os temas:

Gravidez

Saúde da Mulher

Diversão

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Ciência começa a entender eficácia da Medicina Chinesa contra o câncer

O que é melhor: Meditação ou Férias?

Carne e barbatana de tubarão contêm altos níveis de neurotoxinas

Dor de cabeça: Conheça aquelas que exigem tratamento

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão