Médicos querem refrigerantes mais caros para combater obesidade

Refrigerantes e comida rápida

Médicos da Grã-Bretanha estão propondo um aumento de 20% no preço dos refrigerantes para combater a obesidade no país.

A associação Real Academia de Médicos da Grã-Bretanha diz que a obesidade é responsável por uma "grande crise" de saúde no país.

A região tem um dos maiores índices de obesidade no mundo - cerca de um quarto dos britânicos estão acima do peso e a expectativa é de que esse número dobre até 2050.

Além de maiores impostos para elevar o preço dos refrigerantes, a associação defende o fim da publicidade de produtos com alta concentração de gordura saturada, sal e açúcar até às 21h e a redução de pontos de venda de fast food próximo às escolas.

Refrigerantes, cigarro e bebidas alcoólicas

O diretor da academia, Terence Stephenson, disse que não há uma "bala de prata" para atacar a obesidade e que é preciso mudar a cultura de alimentação.

Ele defende uma estratégia similar à do combate ao cigarro.

"Foi preciso o fim da publicidade (do cigarro) e a redução do mercado, além de atividades esportivas para ajudar as pessoas a largar o fumo", diz.

Stephenson também atacou a indústria alimentícia ao dizer que refrigerantes, por exemplo, são apenas "água e açúcar". Ele criticou ainda os hábitos alimentares em muitos países, onde é habitual "beber um litro de refrigerante no cinema".

Recentemente, um outro estudo mostrou que bebidas mais caras reduzem as mortes ligadas ao alcoolismo.


Ver mais notícias sobre os temas:

Alimentação e Nutrição

Dietas e Emagrecimento

Consumo Responsável

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.