Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

24/06/2016

Relógio inteligente prevê risco de ataque de asma

Redação do Diário da Saúde
Relógio inteligente prevê risco de ataque de asma
O aparelho ainda está na fase de protótipo, mas já integra um sistema completo de monitoramento para prever o risco de ataques de asma.[Imagem: James Dieffenderfer]

Alerta de ataque de asma

Relógios inteligentes logo poderão servir para mais alguma coisa além de... mostrar as horas?

O equipamento ainda está em fase de protótipo, mas é capaz de alertar pessoas com asma, bronquite e outras doenças respiratórias da iminência de um ataque, dando tempo para que elas evitem o problema.

Para isso, o aparelho monitora o ambiente em busca de fatores que possam disparar o ataque, além de acompanhar informações do próprio usuário, como frequência cardíaca e ritmo respiratório, compondo um conjunto que permite emitir um alerta.

"Prevenir um ataque [de asma] pode ser tão simples quanto ir para dentro de casa ou fazer um intervalo em uma rotina de exercícios," explica o professor James Dieffenderfer, que desenvolveu o aparelho com seu colega Alper Bozkurt, ambos da Universidade Estadual da Carolina do Norte (EUA).

Chiados nos pulmões

O aparelho incorpora uma série de sensores só recentemente desenvolvidos, que foram incorporados em uma pulseira e em um adesivo que adere ao peito.

Os sensores no adesivo permitem monitorar o movimento do paciente, a frequência cardíaca, frequência respiratória, quantidade de oxigênio no sangue, impedância da pele e chiados nos pulmões.

Os sensores na pulseira são voltados para monitorar os fatores ambientais, como a presença de compostos orgânicos voláteis e ozônio no ar, assim como a temperatura e a umidade.

Espirômetro

O sistema inclui também um componente de utilização facultativa e não-contínua: um espirômetro, que os pacientes podem inalar várias vezes ao dia para avaliar a função pulmonar.

"Hoje, as pessoas com asma precisam usar um medidor de pico de fluxo para medir a função pulmonar em uma base diária," explica Dieffenderfer. "Essa informação é usada para estabelecer a dosagem de medicamentos utilizados em seus inaladores. Para o nosso aparelho, desenvolvemos um espirômetro auto-alimentado personalizado, que coleta informações mais precisas sobre a função pulmonar e alimenta o sistema com os dados."

O aparelho entrará agora na fase de testes, quando a equipe espera verificar se há necessidade de incluir outros sensores para flagrar todos os ataques de asma.


Ver mais notícias sobre os temas:

Equipamentos Médicos

Sistema Respiratório

Sensores

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Vacina contra dengue pode fazer mais mal que bem em alguns locais

Dor de cabeça: Conheça aquelas que exigem tratamento

Os muitos mitos sobre as Dores nas Costas

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão

Carne vermelha todo dia faz mal? Especificamente que mal?