Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

19/01/2012

Remédio contra malária é sintetizado em larga escala

Peter Seeberger
Anti-malaria drug synthesized with the help of oxygen and light
Peter Seeberger e seus colegas descobriram uma forma simples e de alta produtividade para sintetizar a artemisinina, a principal droga contra a malária.[Imagem: Peter H. Seeberger]

Remédio a preços razoáveis

O mais eficaz medicamento contra a malária, a artemisinina, poderá pela primeira vez ser produzida a baixo custo.

Isto significa que poderá ser possível oferecer a medicação, a preços razoáveis, para todos os 225 milhões de pacientes que sofrem de malária em todo o mundo.

Pesquisadores alemães desenvolveram um processo muito simples, com uma única etapa, para a síntese da artemisinina, o ingrediente ativo que até agora só podia ser obtido das plantas.

Artemisinina

A descoberta da artemisinina é um verdadeiro épico, digno de um roteiro de cinema, e deveu-se à abnegação de uma cientista chinesa, que encontrou a receita em um livro de plantas medicinais com mais de 1.600 anos de idade.

Até hoje, a artemisinina é o medicamento mais eficaz contra a malária, e continua sendo extraído da planta Artemisia annua, ou Qinghaosu.

Agora a história tem mais um capítulo, graças ao auxílio do oxigênio e da luz.

Biotecnologia

Ressaltando a importância da planta medicinal, Peter Seeberger e François Lévesque partiram de um subproduto do atual processo de extração da artemisinina de sua planta original.

A vantagem é que este subproduto - o ácido artemisínico - pode ser fabricado biotecnologicamente usando leveduras.

A partir daí, em uma única etapa, os cientistas produzem o princípio ativo do medicamento contra a malária.

Já existiam outras técnicas para fazer isso, mas envolvendo tantas etapas e tantos insumos que o produto final era mais caro do que a artemisinina natural.

Fotoquímica

Os pesquisadores usaram a fotoquímica - reações químicas induzidas pela luz - para ativar um grupo químico muito reativo do ácido artemisínico, formado por átomos de oxigênio - um endoperóxido.

Para que a reação fotoquímica ocorra em todo o material, em larga escala, os pesquisadores construíram um aparato no qual a luz fica no centro de um tubo, por onde corre a mistura a reagir.

Assim, a luz atinge todo o material que está fluindo à sua volta, permitindo a fabricação da artemisinina sintética em escala industrial.

Segundo os cientistas, o composto produzido poderá ser usado não apenas contra a malária, mas também contra outras infecções e até contra o câncer de mama.

A pesquisa foi financiada pela Fundação Clinton.


Ver mais notícias sobre os temas:

Desenvolvimento de Medicamentos

Plantas Medicinais

Medicamentos Naturais

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Cientistas dizem ter descoberto cura definitiva para alcoolismo

Vacina contra dengue pode fazer mais mal que bem em alguns locais

Os muitos mitos sobre as Dores nas Costas

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão

Carne vermelha todo dia faz mal? Especificamente que mal?