Reprodução assistida tem risco maior de malformação nos bebês

Reprodução assistida tem risco maior de malformação nos bebês
Mais de 4% dos bebês nascidos com a ajuda de técnicas de reprodução assistida têm problemas, principalmente no coração e genitais. Cientistas afirmam que futuro pais devem ser informados dos riscos.
[Imagem: BBC]

Malformação assistida

Um estudo feito por cientistas franceses indica que o uso de técnicas de reprodução assistida pode aumentar a probabilidade de bebês nascidos com malformações.

A pesquisa, coordenada pela geneticista Géraldine Viot, da Maternité Port Royal, em Paris, aponta um índice de 4,24% de nascimentos com malformações graves entre bebês gerados com o uso de técnicas de reprodução assistida.

O índice de nascimentos com malformações na população em geral é estimado entre 2% e 3%.

Informação aos pais

Para Viot, os dados indicam que casais que pensam em usar técnicas de reprodução assistida para ter filhos deveriam ser informados sobre os riscos associados ao uso destes métodos.

A especialista acredita que a maioria dos médicos trabalhando em clínicas que oferecem os tratamentos costuma informar os pacientes sobre os riscos apenas quando perguntados especificamente.

Malformações em reprodução assistida

Segundo os cientistas, este é o maior estudo feito até hoje sobre o assunto.

Viot e seus colegas fizeram uma pesquisa em 33 clínicas francesas que oferecem tratamentos para reprodução assistida - isso equivale a cerca de um terço do número total de centros oferecendo este tipo de serviço na França.

Médicos e casais foram convidados a preencher questionários.

No total, 15.162 bebês nasceram nessas clínicas entre 2003 e 2007. O número de nascimentos com malformações foi comparado a dados de registros nacionais e de outros estudos publicados.

"Encontramos malformações sérias em 4,24% das crianças", disse Viot. Segundo a pesquisadora, a maioria dos estudos anteriores indicava um índice menor, entre 2% e 3%.

Coração e genitais

O estudo encontrou incidências altas de problemas cardíacos e malformações no sistema urinário e genital. Esse tipo de problema foi mais prevalente em meninos.

Entre as malformações menos sérias, foram encontrados angiomas e tumores benignos sob a pele. Essas anomalias foram duas vezes mais frequentes em meninas.

Fatores como a idade dos pais das crianças nascidas com malformações foram levados em consideração. O estudo verificou que não havia grande variação entre as idades dos pais dessas crianças e as dos pais dos bebês sem problemas.

Cultura do embrião

Viot disse que as origens dos problemas são provavelmente múltiplas.

"Precisamos de mais pesquisas para entender o relacionamento entre esses problemas e o meio usado para a cultura do embrião, o momento da transferência do embrião, os efeitos da estimulação do ovário, o uso do ICSI - onde o esperma é injetado diretamente no óvulo - e o congelamento dos gametas e embriões", disse.

"Calculamos que, na França, cerca de 200 mil crianças tenham nascido com a ajuda de técnicas de reprodução assistida e, portanto, um índice de malformações dessa magnitude é uma questão de saúde pública", afirmou a pesquisadora.

Acompanhamento de crianças

Viot e sua equipe pretendem dar continuidade ao estudo com a análise de outros 4 mil questionários de crianças nascidas em 2008. Já crianças nascidas em 2003, hoje com 7 anos, terão seu desenvolvimento motor monitorado.

"Ao acompanhar todas essas crianças, esperamos entender mais sobre não apenas o que pode dar errado após os tratamentos com técnicas de reprodução assistida, como também por que elas dão errado", disse.

Os pesquisadores também estão tentando compreender as causas da infertilidade nos pais das crianças que apresentaram as malformações graves.

O objetivo é tentar estabelecer a causa da malformação e se ela estaria vinculada à infertilidade dos pais ou ao tratamento usado.


Ver mais notícias sobre os temas:

Reprodução Assistida

Gravidez

Cuidados com o Recém-nascido

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2017 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.