Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

10/08/2011

Quanto mais resistentes aos antibióticos, mais as bactérias se multiplicam

Redação do Diário da Saúde
Resistência bacteriana a antibióticos: quanto mais resistentes, mais elas se multiplicam
Colônias da Escherichia coli em um disco de Petri. Ao contrário do que seria de se esperar, as mutações genéticas aumentaram a capacidade de divisão das bactérias.[Imagem: Sílvia Mendonça]

Bactérias multirresistentes

É cada vez mais frequente encontrar cepas de bactérias multirresistentes a antibióticos em ambientes hospitalares.

Essa resistência é conferida através de mutações no cromossoma bacteriano ou pela recepção de genes provenientes do meio ambiente ou de outras bactérias.

Duas equipes de pesquisadores portugueses agora descobriram que, ao contrário do que seria de se esperar, a acumulação de ambos os mecanismos na bactéria Escherichia coli (E. coli) frequentemente aumenta a capacidade de sobrevivência e divisão das bactérias.

O estudo, publicado na revista científica PLoS Genetics, foi feito por cientistas da Universidade de Lisboa e do Instituto Gulbenkian de Ciência.

Mutação benéfica para as bactérias

Estes resultados contribuem para explicar o rápido desenvolvimento de multirresistências e obrigam a repensar estratégias de utilização de antibióticos para combater infecções bacterianas.

Geralmente a recepção de novos genes - através de pedaços de DNA denominados plasmídeos - ou o aparecimento de uma mutação no cromossoma bacteriano, são prejudiciais à bactéria e acarretam um custo, por exemplo, uma redução na sua taxa de divisão.

"Pense no que aconteceria se você abrisse o seu computador e mudasse uma peça aleatoriamente ou algumas ligações do processador; você esperaria que o computador passasse a trabalhar melhor ou pior?" exemplifica o Dr. Francisco Dionísio, coordenador do estudo.

No entanto, o que Francisco Dionísio e os seus colegas provaram foi que computadores e bactérias não podem ser diretamente comparados.

Quando, numa célula bacteriana, onde já existe um plasmídeo que confere resistência a um antibiótico, ocorre uma mutação em 10% das combinações, a taxa de divisão das bactérias aumenta, ao contrário do que seria de esperar.

Da mesma forma, quando bactérias já resistentes a um antibiótico devido a mutações no cromossoma recebem um plasmídeo com genes de resistência a vários antibióticos, a taxa de reprodução aumenta em 32% das combinações.

Evolução das bactérias

Em 2009, cientistas do mesmo grupo desvendaram o efeito de interações entre genes sobre a resistência bacteriana a antibióticos para algumas mutações da E. coli.

Estes novos resultados indicam que tal efeito é abrangente e poderá ajudar a prever de que forma uma população bacteriana evoluirá depois da introdução de um plasmídeo que confere resistência a antibióticos.

"Estes resultados são, no mínimo, fortemente inesperados se olharmos para o que já se sabia acerca da interação entre genes; no entanto, eles podem estar na base da explicação para o rápido surgimento da multirresistência a antibióticos," conclui Dionísio.


Ver mais notícias sobre os temas:

Bactérias

Medicamentos

Genética

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Nanoestrelas matam bactérias sem desenvolver resistência

Ciência começa a entender eficácia da Medicina Chinesa contra o câncer

O que é melhor: Meditação ou Férias?

Carne e barbatana de tubarão contêm altos níveis de neurotoxinas

Dor de cabeça: Conheça aquelas que exigem tratamento