O risco dos antidepressivos receitados para outras condições médicas

O risco dos antidepressivos receitados para pacientes sem depressão
Pesquisas com um outro antidepressivo, o escitalopram, mostraram que os antidepressivos alteram a arquitetura do cérebro em questão de horas.
[Imagem: Schaefer et al./Current Biology 2014]

Sertralina

Um antidepressivo largamente receitado pelos médicos e psiquiatras pode alterar a estrutura cerebral de pacientes deprimidos e não-deprimidos de formas muito diferentes.

Isto levanta preocupações importantes porque esse antidepressivo está sendo receitado para outras condições médicas que não a depressão, gerando efeitos fisiológicos colaterais significativos no cérebro desses pacientes.

O estudo revelou que o antidepressivo sertralina, um inibidor seletivo da recaptação da serotonina (SSRI) comercializado com o nome de Zoloft, aumentou significativamente o volume de uma região do cérebro em indivíduos deprimidos, mas diminuiu o volume de duas áreas do cérebro em indivíduos não-deprimidos.

O problema é que essa categoria de antidepressivos - incluindo a sertralina - está sendo receitada para condições como bulimia, ondas de calor, transtorno obsessivo-compulsivo, estresse pós-traumático, recuperação de derrames e disfunção sexual, ainda que não existam estudos sobre o efeitos dessas drogas sobre os volumes cerebrais desses pacientes sem diagnóstico de depressão.

Antidepressivo para pessoas sem depressão

Neuroimagens feitas após um tratamento padrão com o medicamento revelaram que, nos indivíduos deprimidos, a droga aumentou significativamente o volume de uma região do cérebro, a parte anterior do córtex cingulado, enquanto diminuiu o volume desta região e do hipocampo nos indivíduos não-deprimidos.

O crescimento da região nos pacientes deprimidos era esperado porque os cientistas acreditam que os inibidores da recaptação da serotonina combatem a depressão induzindo o crescimento neural e a conectividade nessas regiões do cérebro.

"Essas observações são importantes para a saúde humana porque o Zoloft é largamente receitado para um grande número de desordens além da depressão," disse Carol Shively, do Centro Médico Batista Wake Forest (EUA), cuja equipe analisou o efeito do medicamento no cérebro de primatas não-humanos com estruturas e funções cerebrais semelhantes às dos seres humanos.

"Os resultados precisam ser mais investigados em populações de pacientes para ver se essas drogas produzem efeitos similares em humanos," recomendou Shivley.


Ver mais notícias sobre os temas:

Medicamentos

Depressão

Psicoterapia

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.